Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Imprensa manipulou declaração sobre Holocausto, diz ministro

Matan Vilnai afirma que era claro que a expressão foi usada no sentido de 'desastre'

Agência Estado e Associated Press,

02 de março de 2008 | 14h16

O vice-ministro da Defesa de Israel, Matan Vilnai, disse neste domingo, 2, que suas declarações de sexta-feira, sobre um "Holocausto palestino", foram manipuladas pela imprensa. "É claro para todos que eu usei a expressão 'shoah' no sentido de 'desastre', ou 'catástrofe'. É claro que outras palavras poderiam ser usadas, mas isso não deveria nos desviar de nosso argumento, que é o de que os palestinos estão trazendo um desastre para seu próprio povo por causa de suas ações", disse Vilnai em entrevista à Rádio do Exército de Israel   Veja também: Abbas diz que ações de Israel são 'mais do que o Holocausto' Ministro israelense fala em lançar "holocausto" sobre Gaza   Na sexta-feira, o vice-ministro havia dito em uma entrevista que "à medida que os ataques palestinos com foguetes se intensificam, e o alcance deles cresce, eles estão trazendo para si mesmos um 'shoah', porque usaremos toda a nossa força, de todas as maneiras que acharmos apropriado". "Shoah" é a palavra em hebraico usada nas referências ao genocídio dos judeus pelos nazistas; normalmente, ela é traduzida como "Holocausto".   O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, afirmou no sábado, que a ofensiva de Israel contra a Faixa de Gaza é "inacreditável" e disse que está acontecendo "mais do que um Holocausto" na região, em referência aos comentários."Dizemos ao mundo: olhem o que está ocorrendo e julguem quem está fazendo um terrorismo internacional", disse Abbas. A pedido dele, o Conselho de Segurança da ONU fez ontem à noite uma reunião de emergência para tratar do tema.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelHolocausto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.