Incidente naval com EUA em Ormuz pode ter sido trote

Jornal afirma que ameaça aos navios dos EUA seria brincadeira de trotista conhecido como Macaco Filipino

Agência Estado e Associated Press,

14 de janeiro de 2008 | 14h27

Uma ameaçadora mensagem de rádio contida num vídeo do Pentágono mostrando lanchas de patrulha do Irã frente a navios de guerra dos EUA pode ter sido na verdade um trote do "Macaco Filipino" que atua na região, segundo publicou o jornal Navy Times. O vídeo divulgado pelo Pentágono sobre o incidente de 6 de janeiro no Estreito de Ormuz traz a voz de um homem ameaçando em inglês com forte sotaque: "Estou indo até vocês... Vocês vão explodir em (...) minutos". A porta-voz da 5º Frota dos EUA em Bahrein, comandante Lydia Robertson, insistiu nesta segunda-feira, 14, que a Marinha ainda não determinou a origem da transmissão, mas acredita que tenha partido das embarcações iranianas. Entretanto, a matéria do Navy Times, um jornal semanal publicado pela companhia Gannett, traz a opinião de vários marinheiros veteranos dando conta que a ameaça teria sido feita por um trotista muito conhecido na região e apelidado de "Macaco Filipino". O jornal, endereçado ao pessoal da Marinha dos EUA, escreveu que é comum navios de guerra americanos passando pelo Golfo Pérsico captarem "insultos e palavrões" em freqüências livres. Na versão iraniana do vídeo, disponível no site da Press-TV, aparece um homem em uma lancha pedindo aos navios americanos que se identifiquem após se apresentar a eles. "Somos da força naval iraniana", diz o militar iraniano na gravação, na qual não é possível ver nenhuma lancha iraniana perto dos navios militares americanos, como mostra a versão do Pentágono. Na gravação iraniana também se vê um helicóptero sobrevoando a área onde ocorreu o incidente. Após o incidente, o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, acusou o Irã de provocação, enquanto Teerã minimizou o fato e considerou que este tipo de ocorrência "é rotineira e foi superada imediatamente".

Tudo o que sabemos sobre:
IrãEUAcrise naval

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.