Indicado para premiê desiste de formar governo no Líbano

Decisão foi tomada após rejeição do Hezbollah à lista de nomes apresentada para o gabinete do premiê

Agência Estado, Associated Press e Efe,

10 de setembro de 2009 | 11h43

O primeiro-ministro designado do Líbano, Saad Hariri, afirmou nesta quinta-feira, 10, ter desistido de seus esforços para formar um novo governo. A decisão foi tomada após a minoria liderada pelo Hezbollah rejeitar a lista de Hariri para um gabinete de união nacional. "Desejamos cooperar para que o país se levante e todos os temas sejam tratados, mas a oposição não quis, e por isso apresento minha renúncia a formar governo", anunciou Hariri.

 

A decisão de Hariri aumenta o clima de incerteza política no país, com o presidente Michel Suleiman agora forçado a iniciar consultas com parlamentares para nomear um novo primeiro-ministro. A decisão de Hariri foi tomada dois dias após o Hezbollah rejeitar a equipe proposta para o gabinete de 30 membros. Hariri tenta formar o governo desde a vitória de seu bloco nas eleições parlamentares, mas disputas sobre a distribuição de ministérios impediram um avanço.

 

O Hezbollah e seus aliados criticaram os nomes do gabinete, afirmando que eles poderiam nomear apenas seus próprios membros do gabinete de unidade, a ser formado por facções libanesas rivais. O grupo queria poder para influir nas outras escolhas.

 

Hariri disse que as condições impostas pelo bloco liderado pelo Hezbollah podem minar toda a eleição, na qual a coalizão apoiada pelo Ocidente claramente venceu. Um dos principais pontos de impasse é a exigência do Hezbollah de que Jibran Bassil, um cristão aliado do grupo, permaneça como Ministro das Comunicações. Hariri rejeita mantê-lo e aparentemente escolheu um nome de seu grupo para o posto, Ghazi Aridi, do grupo Druso liderado por Walid Jumblatt, o Partido Socialista Progressista.

 

O Hezbollah considera o Ministério das Telecomunicações um órgão particularmente sensível, por razões de segurança, e quer manter seu controle.

Tudo o que sabemos sobre:
LíbanoHezbollahOriente Médio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.