Insurgentes realizaram "execuções em massa" no Iraque, diz grupo pró-direitos

Fotografias e imagens de satélites indicam que insurgentes do grupo Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL) realizaram execuções em massa na cidade de Tikrit, norte do país, disse a ONG de direitos humanos Human Rights Watch nesta sexta-feira.

COSTAS PITAS, REUTERS

27 de junho de 2014 | 08h43

O EIIL, composto de radicais islâmicos que querem recriar califados medievais do Iraque até a Síria, avançaram sobre grande parte do norte do Iraque quase sem resistência, tomando cidades como Mosul e Tikrit, assumindo controle de postos de fronteira e se aproximando a uma distância de cerca de 100 quilômetros da capital, Bagdá.

O Human Rights Watch (HRW) disse que entre 160 e 190 homens foram mortos em pelo menos dois lugares dentro e ao redor de Tikrit —cidade-natal do finado ditador iraquiano Saddam Hussein— entre 11 e 14 de junho.

A entidade afirmou ainda que o total de mortos pode ser muito maior, e que a dificuldade de localizar os corpos e chegar ao local não permitiram uma investigação completa.

Fotos publicadas no website do HRW mostram uma fileira de homens com a cabeça para baixo em trincheiras sendo baleados por um grupo de homens.

“As fotos e imagens de satélite de Tikrit fornecem forte evidência de um terrível crime de guerra que precisa de mais investigação”, disse o diretor de emergências do Human Rights Watch, Peter Bouckaert, em um comunicado. “Eles e outras forças violentas devem saber que os olhos dos iraquianos e do mundo estão observando.”

Não foi imediatamente possível obter comentários do EIIL.

A Organização das Nações Unidas (ONU) disse na terça-feira que pelo menos 1.000 pessoas, a maioria civis, haviam sido mortas e um número equivalente ficou ferido em combate e outras formas de violência no Iraque em junho, à medida que o EIIL avançava pelo norte.

A cifra inclui um número confirmado de vítimas de execuções sumárias cometidas pelo EIIL, assim como prisioneiros mortos por forças iraquianas.

Mais conteúdo sobre:
IRAQUEEXECUCOESTIKRIT*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.