Irã aceita negociar, mas sem desistir de programa nuclear

Governo aceita convite feito por seis potências para discutir suas atividades atômicas de forma 'construtiva'

Reuters e Efe,

22 de abril de 2009 | 07h44

O Irã disse nesta quarta-feira, 22, que são bem-vindas conversas "construtivas" com as potências mundiais sobre seu programa nuclear, mas que o país islâmico insiste em continuar com o contestado trabalho, disse a TV estatal citando um comunicado do governo. A nota é resposta a um convite feito por seis potências, incluindo os Estados Unidos, para discutir a contenda nuclear, de acordo com a emissora.

 

"A República Islâmica do Irã... saúda conversas construtivas e justas baseadas no respeito mútuo e acredita que os atuais problemas podem ser resolvidos por meio de conversas", disse o comunicado. Teerã "continuará com suas atividades nucleares em uma interação ativa com a Agência Internacional de Energia Atômica sob os moldes do TNP (Tratado de Não-Proliferação) como outros membros da agência", disse a nota.

 

Os Estados Unidos e seus aliados ocidentais suspeitam que o Irã tenha o objetivo de desenvolver bombas nucleares e querem que o país interrompa o enriquecimento de urânio. O Irã rejeita tal alegação e tem repetidamente descartado parar com a atividade.

 

A possibilidade de negociar, oferecida pelo grupo de negociação há duas semanas, coincide com algumas medidas do presidente americano, Barack Obama, para tentar abrir um novo capítulo nas relações com o regime dos aiatolás. Teerã e Washington romperam seus laços diplomáticos em abril de 1980, após consolidada a vitória da Revolução Islâmica que derrubou a monarquia do último xá da Pérsia, o pró-ocidental Mohammed Reza Pahlevi.

Tudo o que sabemos sobre:
Irãprograma nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.