Irã acusa Israel de 'regime perigoso' após manobra militar

Israelenses estariam treinando para atacar instalações nucleares iranianas, dizem oficiais norte-americanos

Efe e Reuters,

21 de junho de 2008 | 11h04

O governo do Irã declarou neste sábado, 21, que o regime de Israel é "perigoso". A declaração foi feita depois que os Estados Unidos declararam que o exército israelense lançou um exercício militar no início do mês que seria um treinamento para um potencial ataque contra instalações nucleares iranianas.   Veja também: Israel simulou ataque contra instalações iranianas, dizem EUA Irã adverte que usará a força contra países inimigos   Diversos oficiais dos Estados Unidos afirmaram que as operações israelenses poderiam ser um esforço para desenvolver a capacidade das Forças Armadas em realizar ataques de longa distância e demonstrar seriedade com que Israel vê o programa atômico do Irã.   Mais de 100 caças israelenses F-16 e F-15 participaram das manobras, que foram realizadas sobre o leste do Mar Mediterrâneo e sobre a Grécia na primeira semana de junho, disseram os oficiais. O Exercício incluiu ainda helicópteros israelenses que poderiam ser usados para salvar pilotos de aeronaves abatidas. Os helicópteros e aviões de abastecimento voaram mais 1,4 mil quilômetros, distância semelhante entre Israel e a principal usina de enriquecimento de urânio iraniana, a de Natanz.   Urânio   O Governo iraniano reiterou neste sábado, 21, sua recusa de cancelar seu programa de enriquecimento de urânio e chamou de "irracional e inaceitável" qualquer pedido para que o país faça isto, informou a agência de notícias Fars. O porta-voz do Governo iraniano, Gholamhossein Elham, afirmou em entrevista coletiva que "a resposta da República Islâmica do Irã ao pacote proposto recentemente por seis líderes mundiais (EUA, Rússia, China, França, Reino Unido e Alemanha) não se baseará na suspensão do enriquecimento".   Além disso, Elham afirmou que "qualquer pedido para o cancelamento do enriquecimento de urânio é irracional e inaceitável". No último sábado, o alto representante para a Política Externa e de Segurança Comum da UE, Javier Solana, viajou para Teerã para apresentar uma série de incentivos propostos para o Irã pelos cinco países do Conselho de Segurança da ONU mais Alemanha para que suspenda seu programa de enriquecimento de urânio.   Neste sentido, Elham afirmou que seu país está considerando esta série de incentivos e que responderá à oferta no tempo devido. "O Irã continuará sua cooperação com a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) e está preparado para manter conversas com os países sobre assuntos de interesse mútuo e para progressos internacionais", declarou. "As atividades nucleares do país são completamente transparentes", concluiu o porta-voz.      

Mais conteúdo sobre:
IrãIsraelEUAprograma nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.