Irã acusa Sarkozy de ter arrogância faraônica

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, disse nesta terça-feira que o presidente francês, Nicolas Sarkozy, estava imitando o estilo "arrogante" dos faraós que governaram o Egito antigo, informou uma emissora de televisão. Sarkozy, um crítico aberto ao Irã desde que assumiu a Presidência em 2007, disse na segunda-feira que não poderia cumprimentar Ahmadinejad porque ele disse que Israel deveria ser "eliminado do mapa". Sarkozy também disse que Ahmadinejad não representa o Irã. Ahmadinejad, que irritou o Ocidente em 2005 ao chamar Israel de "tumor" e sugerir que o país fosse riscado dos mapas, acusou Sarkozy durante um discurso no sul do Irã de adotar "um estilo arrogante faraônico" em relação ao governo do Teerã. "Senhor, ninguém no Irã pediu para negociar ou cumprimentar você", disse Ahmadinejad. "Portanto, porque o senhor está impondo condições?", acrescentou ao discursar na província de Khuzestan, transmitido por uma emissora de TV estatal. Na tradição islâmica, faraós são símbolo de arrogância e opressão. A oposição a Israel é uma das políticas fundamentais da maioria xiita do Irã, que apóia grupos de militantes palestinos e libaneses contrários ao acordo de paz com o Estado judeu. Ahmadinejad insistiu que o Irã não tem intenção de reconhecer Israel. "Quem quer negociar com o Irã deveria saber que nós nunca vamos reconhecer o regime sionista (de Israel)", disse ele ao som de protestos como "Morte a Israel" e "Morte a América". "Aqueles que querem negociar com o Irã deveriam saber que o Irã está chamando para extinção do crime, agressão, ocupação e da origem do pensamento sionista do mundo". Os Estados Unidos e Israel acreditam que o programa nuclear do Irã é um disfarce para um projeto com fins militares.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.