Irã afirma ter provas do apoio dos EUA a 'terroristas'

Para Teerã, Washington evita reprimir rebeldes instalados no norte do Iraque e facilitam suas operações

Reuters,

28 de outubro de 2007 | 18h04

O Irã tem provas do apoio dos Estados Unidos a grupos terroristas do Oriente Médio, disse uma importante autoridade do país a uma rádio neste domingo, 28. O novo negociador nuclear do país, Saeed Jalili, fez a acusação ao receber a visita do chanceler turco, Ali Babacan, cujo país ameaça invadir o Iraque para combater guerrilheiros curdos. Teerã diz que os rebeldes turcos operam no Iraque apesar da presença militar norte-americana, o que seria uma prova de que Washington evita reprimi-los. A exemplo da Turquia, o Irã também enfrenta atentados de rebeldes separatistas curdos que usam o Iraque como base para ataques nos territórios dos países vizinhos. Teerã e Ancara no passado já reagiram bombardeando posições da guerrilha no norte iraquiano. "A escalada do terrorismo na região é um dos resultados diretos da presença dos ocupantes no Iraque, particularmente [os Estados Unidos] América", disse Jalili, ligado politicamente ao presidente Mahmoud Ahmadinejad, segundo a rádio pública iraniana. "E há documentos e informações disponíveis provando o apoio da América a grupos terroristas na região", disse ele, sem entrar em detalhes. Jalili também é o novo secretário do Conselho Supremo da Segurança Nacional do Irã.  Os EUA costumam acusar Teerã de financiar e treinar milícias responsáveis por violentos ataques no Iraque. Teerã nega essa acusação e atribui a violência do Iraque à presença militar norte-americana. Washington também acusa Teerã de desenvolver armas nucleares. O Irã nega tal intenção, mas já foi submetido a dois pacotes de sanções da ONU. Na semana passada, o governo Bush acusou formalmente a Guarda Revolucionária do Irã de envolvimento na proliferação de armas de destruição em massa, e incluiu a Força Qods, batalhão de elite da Guarda, na sua lista de entidades que apóiam o terrorismo. A medida também impôs novas sanções a mais de 20 empresas, bancos e indivíduos do Irã. Em entrevista coletiva no domingo com Babacan, o chanceler iraniano, Manouchehr Mottaki, também acusou os EUA e Israel de envolvimento com o terrorismo na região. "Vemos sua mão por trás de algumas das atividades terroristas da região", declarou. Babacan agradeceu a ajuda iraniana no combate à guerrilha PKK e disse que as duas partes discutem a manutenção de tal cooperação. Nas últimas semanas, as relações entre Turquia e EUA, dois países da Otan, sofreram forte deterioração, devido aos planos turcos de invadir o Iraque, o que pode desestabilizar toda a região.

Tudo o que sabemos sobre:
Irã, IraqueTurquiacurdos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.