Ronald Zak/Arquivo/AP
Ronald Zak/Arquivo/AP

Irã amplia capacidade nuclear subterrânea, dizem fontes

País teria montado centrífugas adicionais em instalação de Fordow para proteção contra bombardeios inimigos

Reuters

23 de agosto de 2012 | 17h24

VIENA - O Irã instalou muito mais máquinas de enriquecimento de urânio num abrigo subterrâneo, disseram fontes diplomáticas nesta quinta-feira, 23, potencialmente abrindo caminho para a ampliação de atividades que o Ocidente teme estarem voltadas para o desenvolvimento de bombas atômicas. Várias fontes disseram que o Irã montou centrífugas adicionais na sua instalação de Fordow, que fica no interior de uma montanha, para proteção contra bombardeios inimigos.

Veja também:

link Irã apresenta ao mundo nova geração de mísseis

link EUA criticam comparecimento de Ban Ki-moon em encontro no Irã

link Chefe da AIEA não está 'muito otimista' sobre reunião com Irã

Uma fonte sugeriu que a ampliação envolvia centenas de máquinas. "Nosso entendimento básico é que eles continuam instalando", disse um diplomata em Viena, acrescentando que as novas centrífugas ainda não estão operando.

Se for confirmada, em um relatório a ser entregue na semana que vem pela Agência Internacional de Energia Nuclear (AIEA, um órgão da ONU), a ampliação deve ser vista como um sinal de que o Irã continua desafiando as exigências internacionais para que restrinja seu programa nuclear, que Teerã diz ser inteiramente pacífico.

Em Fordow, que fica perto da cidade sagrada xiita de Qom, o Irã enriquece urânio até uma concentração físsil de 20 por cento, atividade que o Ocidente pressiona para que seja interrompida imediatamente, por deixar o país mais próximo do nível de pureza necessário para o uso em armas atômicas.

O Irã rejeita as acusações ocidentais de que estaria buscando desenvolver armas atômicas, e diz precisar refinar urânio até os 20 por cento para alimentar um reator de pesquisas médicas.

Mas sua recusa em abandonar o enriquecimento, processo que pode ter finalidades civis e militares, motiva sanções ocidentais cada vez mais duras, e alimenta especulações de que Israel poderia atacar instalações nucleares iranianas. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.