Irã anuncia exercício militares com mísseis a partir de domingo

País também vai marcar data para inspeção da nova usina nuclear de Qom, criticada pelas potências ocidentais

REUTERS

26 de setembro de 2009 | 15h00

A Guarda Revolucionária do Irã fará exercícios de defesa com mísseis nos próximos dias, a partir de domingo, para estimular a capacidade de intimidação da República Islâmica, informou a mídia iraniana neste sábado, 26.  

Veja também:

link Irã marcará data para inspeção internacional à usina

linkUsina no Irã é imprópria para uso civil

linkIrã escondeu usina, acusam potências

linkAhmadinejad diz ter informado AIEA sobre usina

linkObama prefere diálogo, mas não descarta opção militar

linkLula diz que visita de iraniano não constrange

linkEntenda o programa nuclear do Irã

O anúncio feito neste sábado coincide com o aumento da tensão sobre a disputa nuclear que envolve o Irã e o Ocidente, após Teerã revelar que estava construindo uma segunda usina para enriquecimento de urânio.

Os relatos não informaram os tipos de mísseis que poderiam ser usados na simulação. Em maio, o Irã disse que estava testando mísseis que analistas de defesa disseram que poderiam atingir Israel e as bases dos Estados Unidos no Golfo.

Os Estados Unidos, que suspeitam de possível criação de bombas nucleares no Irã, já expressaram preocupação sobre o programa de mísseis.

O Irã conduz com frequência exercícios de guerra ou teste de armamentos para mostrar sua firmeza em conter qualquer ataque inimigo.

Um comunicado citado por agências de notícias iranianas disse que o objetivo dos exercícios realizados pela força aérea da Guarda Revolucionária seria "aumentar a capacidade de intimidação das forças armadas iranianas".

O general Hossein Salami, chefe da força área da Guarda, disse que as simulações poderiam incluir lançamentos simultâneos de mísseis com alvos, informou a Guarda em sua página na Internet.

Os exercícios vão durar alguns dias e acontecerão em diversas localidades.

Tudo o que sabemos sobre:
IRAMISSILTESTE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.