Irã anuncia plano para bombardear Israel caso sofra ataque

Ameaça de comandante da Força Aérea é a primeira a revelar existência concreta de estratégia de ataque

Associated Press,

19 de setembro de 2007 | 11h07

Um comandante da Força Aérea iraniana declarou nesta quarta-feira, 19, que o Irã tem planos de bombardear Israel caso o Estado judeu ataque o país, informou a agência de notícias semi-oficial Fars. Veja TambémIrã diz que sanções da ONU não afetam programa nuclearCondoleezza Rice critica AIEA e pede medidas contra o Irã O anúncio acontece em meio a crescentes tensões na região. Além do início na sexta-feira, 21, de uma nova rodada de negociações convocada pelos Estados Unidos para a imposição de mais sanções à Teerã, o Oriente Médio acompanha com apreensão a escalada entre Síria e Israel provocada por um suposto bombardeio israelense em território sírio.  Para piorar, o Estado judeu ampliou nesta terça-feira a pressão sobre os palestinos do Hamas, grupo islâmico que controla a Faixa de Gaza e é apoiado por Síria e Irã. "Nós temos um plano para atacar Israel com nossos bombardeios caso esse regime (israelense) cometa um erro estúpido", disse o subcomandante da Força Aérea iraniana, general Mohammed Alavi. O ministério da Defesa israelense recusou-se em comentar a afirmação, mas o funcionário do Ministério de Relações Exteriores Yigal Palmor disse que "esse tipo de comentário torna bastante claro porque a comunidade internacional deve adotar uma posição firme em relação ao Irã". "Não há dúvidas de que se não houver um esforço internacional, o Irã continuará com todos os tipos de ameaças, contra Israel e a outros países", disse Palmor. "Qualquer um que deseje estabilidade no Oriente Médio não tem outra opção a não ser se alarmar diante desta declaração." Contatada pela Associated Press, a agência Fars confirmou as declarações de Alavi, mas informou que não distribuirá uma gravação da entrevista. A Força Aérea Iraniana, por sua vez, informou que não comentaria a afirmação.  Em entrevista a agência de notícias estatal Irna, o ministro da Defesa iraniano, Mohammed Najjar, afirmou que "mantemos várias opções para responder às ameaças, e as utilizaremos quando necessário". Guarda Revolucionária As declarações de Alavi ecoaram na Guarda Revolucionária Iraniana, a força de elite do regime dos aiatolás. Nesta quarta-feira, a força - que há alguns dias foi declarada terrorista pelos Estados Unidos - informou por meio de nota que está preparada para uma confrontação militar.  "Tendo passado por diversas crises, o Irã tem preparado sua população para uma possível confrontação contra qualquer agressão", diz o texto, também divulgado pela Irna.  Em outras ocasiões o Irã já havia informado que Israel seria o primeiro alvo do país caso Teerã sofresse um ataque vindo dos Estados Unidos. No entanto, as declarações de Alavi são as primeiras a citar explicitamente a existência de planos para uma eventual ação militar nesses padrões.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãIsrael

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.