Irã aponta fracasso de pressão ocidental contra programa nuclear

O negociador-chefe de assuntos nuclearesdo Irã, Saeed Jalili, disse na quinta-feira que o Ocidentefracassou em seus esforços para pressionar a República Islâmicapor causa de suas atividades atômicas. O Ocidente teme que o Irã possa desenvolver armasnucleares, e por isso o Conselho de Segurança da Organizaçãodas Nações Unidas (ONU) já impôs dois pacotes de sanções aopaís. O Irã diz que seu objetivo é apenas gerar eletricidadecom fins civis. "Esses países que até agora estão impondo sanções epressionando o Irã não conseguiram nenhum sucesso", disseJalili à agência oficial de notícias Irna antes de embarcarpara uma visita a Pequim. "Hoje, os fatos globais e o comportamento lógico do Irã nãopermitem que ninguém faça isso." Contrariando o que dizia o governo norte-americano atéentão, um relatório de inteligência dos EUA disse no mêspassado que o Irã abandonou em 2003 o desenvolvimento de armasnucleares. China e Rússia, que têm poder de veto na ONU, sãocontra novas sanções ao país. Jalili deu especial destaque à solidez das relações entreIrã e China, que importa muito petróleo do seu país. A Alemanha disse na quarta-feira que a ONU deveria ampliarsuas sanções ao Irã. Na próxima terça, grandes potênciasreúnem-se em Berlim para discutir uma estratégia. O ministro das Relações Exteriores alemão, Frank-WalterSteinmeier, deve inicialmente encontrar-se em Viena, naquinta-feira, com o diretor da Agência Internacional de EnergiaAtômica (AIEA, um órgão da ONU), Mohamed ElBaradei. ElBaradei esteve na semana passada em Teerã para tentarampliar a cooperação do país com a investigação da agênciasobre o histórico de seu programa nuclear e buscar o fim dasrestrições aos inspetores internacionais no Irã. O diretor da AIEA voltou com um acordo pelo qual o Irã secompromete a responder dentro de um mês às dúvidas sobre opassado de seu programa nuclear. Autoridades iranianas dizem que novas sanções poderiamabalar sua cooperação com a agência nuclear da ONU. (Reportagem de Zahra Hosseinian)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.