Vahid Salemi/AP
Vahid Salemi/AP

Irã aprova lei para expulsar embaixador britânico

Membros do Conselho Guardião aprovaram plano por unanimidade

REUTERS

28 de novembro de 2011 | 09h33

TEERÃ - Um projeto de lei que rebaixa as relações diplomáticas do Irã com a Grã-Bretanha e prevê a expulsão do embaixador britânico foi aprovado na segunda-feira, 28, disse a emissora estatal Irib, um dia depois de passar no Parlamento.

 

Veja também:

NA ÍNTEGRA: O relatório da AIEA (em inglês)

Brasil tende a rejeitar adoção de novas sanções

ESPECIAL: Tambores de guerra no Oriente Médio

ESPECIAL: O programa nuclear do Irã

HOTSITE: A tensão entre Israel e o Irã

"Os membros do Conselho Guardião, após exame do plano, aprovaram-no por unanimidade", disse Abbasali Kadkhodai, porta-voz do Conselho, ao site da Irib.

O Conselho Guardião é formado por 12 clérigos e juristas encarregados de analisarem a adequação das leis ao Islã. A tramitação excepcionalmente rápida desse projeto reflete a intenção do Irã de impor retaliações pelas sanções anunciadas na semana passada pela Grã-Bretanha contra Teerã.

Pelas novas sanções britânicas, bancos do país ficam proibidos de fazer negócios com bancos iranianos, inclusive o Banco Central. As medidas foram impostas devido a um novo relatório da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA, um órgão da ONU) que intensificou as suspeitas de que o Irã estaria tentado desenvolver armas nucleares, algo que Teerã nega.

No domingo, ao aprovar o projeto, deputados entoaram gritos de "Morte à Inglaterra". Parlamentares disseram que retaliações semelhantes serão adotadas contra qualquer outro país que punir o Irã por seu programa nuclear.

Ministro de Relações Exteriores da União Europeia se reúnem na quinta-feira para aprovar novas sanções, que podem incluir o rompimento de relações financeiras e a proibição de importação do petróleo iraniano.

Tudo o que sabemos sobre:
IRAEMBAIXADOR*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.