Lee Jae-Won/Reuters
Lee Jae-Won/Reuters

Irã bane jogadores que protestaram, mas federação nega

Jornal anunciou expulsão de quatro atletas, mas órgão de futebol diz que saídas foram por motivos pessoais

Associated Press,

24 de junho de 2009 | 10h44

O governo do Irã determinou na terça-feira, 23, o fim da carreira dos jogadores da seleção de futebol iraniana que, na quinta-feira, entraram em campo contra a Coreia do Sul pelas eliminatórias da Copa do Mundo usando uma faixa verde - cor da campanha do candidato oposicionista derrotado Mir Hussein Mousavi. Nesta quarta-feira, 24, entretanto, o vice-presidente da Federação Iraniana de Futebol, Mehdi Taj, negou que as expulsões foram ocasionadas pelo gesto.

 

Um jornal pró-governo informou que quatro jogadores de futebol iranianos tiveram o fim de sua carreira determinado após entrarem em campo utilizando uma faixa verde no punho em protesto ao resultado das eleições presidenciais do Irã. Taj, entretanto, informou à agência de notícias Mehr, que a saída de dois desses jogadores foi por "motivos pessoais, em uma decisão própria e profissional".

 

Veja também:

linkKhamenei enfrenta crise de credibilidade

linkPovo do Irã não pode ser 'vítima de irresponsabilidade', diz Lula

linkObama questiona eleição iraniana e faz críticas

linkIrã proíbe funeral aberto para jovem morta em protestos

som Podcast: Enviado do "Estado" no Irã comenta dificuldades da imprensa

som Podcast: Pedro Dória explica como manifestantes driblam censura no Irã

lista Veja como acompanhar a crise política iraniana na web

lista Conheça os números do poderio militar do Irã

lista Altos e baixos da relação entre Irã e EUA

especialEspecial: Conflito eleitoral divide o Irã

especialEspecial: O histórico de tensões do Irã

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

especialEspecial: As armas e ambições das potências

lista Tudo o que foi publicado sobre a crise eleitoral no Irã 

 

O vice-presidente referiu-se a Ali Karimi e Mehdi Mahdavikia, que utilizaram o acessório junto de mais quatro iranianos. Eles usaram a faixa durante o primeiro tempo da partida, mas voltaram sem os acessório na segunda etapa.

 

"Esses dois jogadores jogaram durante anos pela seleção iraniana com muito orgulho, e devemos agradecê-los da forma apropriada", disse Taj, que também negou que seus passaportes tenham sido confiscados.

 

Taj, entretanto, não comentou o banimento dos outros dois jogadores, Hosein Ka'abi, e Vahid Hashemia. Segundo o jornal pró-governo, os atletas receberam uma punição equivalente ao banimento, já que não podem mais jogar partidas oficiais nem pela seleção, nem por clubes.

 

O presidente conservador reeleito, Mahmoud Ahmadinejad, é conhecido por ser apreciador do futebol, e frequentemente tem associado seus discursos ao esporte. Na semana passada, comprou os manifestantes de Teerã a torcedores de equipes derrotadas.

 

Em 2006, o Irã foi banido de competições internacionais por um curto período acusado pela Fifa por realizar interferências ilegais no governo do país.

 

No jogo contra a Coreia do Sul, válido pelas eliminatórias para a Copa do Mundo de 2010, o Irã empatou com os adversários por 1 a 1 e viu a classificação para o mundial ficar mais distante.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãprotestosAhmadinejadfutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.