Irã começa a cumprir acordo nuclear e para de enriquecer urânio a 20%

Teerã também começou a inutilizar material radioativo já produzido, segundo agência da ONU

O Estado de S. Paulo,

20 de janeiro de 2014 | 09h07

O governo do Irã anunciou ter suspendido nesta segunda-feira, 20, o enriquecimento de urânio a 20% de pureza, conforme o previsto no acordo assinado com as potências ocidentais no ano passado, em troca de um alívio nas sanções impostas ao país. O regime persa informou ainda que o processo de dissolução de 196 quilos desse material armazenados nos últimos meses, outro ponto do acordo, também já começou.

"Em linha com a aplicação do plano de ação conjunto de Genebra, na presença de inspetores da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), o Irã suspendeu a produção de urânio enriquecido a 20% nas usinas de Natanz e Fordo", disse o diretor do programa atômico persa Mohamed Amiri à agência estatal Irna.

A partir de agora, segundo Amiri, as centrífugas das duas usinas foram modificadas para produzir apenas urânio enriquecido a 5% - usado na produção de energia elétrica. "O processo de dissolução dos 196 quilos de urânio enriquecidos a 20% também já começou", acrescentou Amiri,  que ressaltou que se o Irã entender que o acordo está sendo descumprido, retomará o enriquecimento a 20%.

Uma fonte da AIEA em Viena confirmou a suspensão parcial do programa nuclear iraniano. "Por enquanto, tudo está em ordem e todas as exigências estão sendo cumpridas", disse. Um relatório da entidade obtido pela agência Reuters também indicou que o Irã está cumprindo à risca o acordo.

O mineral radioativo enriquecido a 20% é usado em pesquisas médicas e tratamento para câncer, mas especialistas dizem que a distância entre esse processo e o enriquecimento a 90%, usado na produção de armas nucleares, é tecnologicamente muito próximo e era motivo de preocupação entre as potências ocidentais.  / AP E REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
IrãAIEA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.