Irã começa a instalar 6 mil centrífugas para enriquecer urânio

Apesar das sanções da ONU, país acelera seu programa nuclear, que pode levar à fabricação de armas nucleares

Reuters,

08 de abril de 2008 | 07h28

O Irã iniciou a instalação de 6 mil centrífugas avançadas em sua unidade de enriquecimento de urânio, informou o presidente Mahmoud Ahmadinejad nesta terça-feira, 8, numa ampliação dos trabalhos iranianos de enriquecimento que o Ocidente teme ter o objetivo de construir bombas. Diplomatas em Viena disseram à Reuters na semana passada que Teerã estava instalando centrífugas avançadas de enriquecimento em sua instalação subterrânea de Natanz, acelerando os trabalhos que podem levar o país a fabricar bombas atômicas no futuro, caso escolha esse caminho.       Veja também: Ahmadinejad celebra Dia Nacional da Energia Atômica no Irã   Especial: O programa nuclear do IrãO Irã, quarto maior exportador mundial de petróleo, afirma querer a tecnologia nuclear apenas para a produção de energia. "O presidente Ahmadinejad anunciou o início da instalação de 6 mil novas centrífugas em Natanz", informaram a televisão e a rádio estatal do país. "Hoje o processo de instalação de 6 mil centrífugas avançadas começou. Darei mais detalhes sobre elas esta noite", disse Ahmadinejad em Natanz, região central do Irã, de acordo com a agência estudantil Isna.  O presidente iraniano fará um discurso ainda nesta terça-feira em uma cerimônia em Teerã para comemorar o Dia Nacional da Tecnologia Nuclear do Irã. "Prometo dar mais boas notícias", disse Ahmadinejad segundo a TV estatal. Ele não deu mais detalhes. Desde 2006, o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas impôs três rodadas de sanções contra o Irã, devido a recusa do país de suspender o enriquecimento de urânio. O Irã afirma que as sanções, que têm como alvo os setores nuclear e militar, assim como transações financeiras com outros países, não teve impacto no Estado islâmico.  O urânio enriquecido pode ser usado como combustível para usinas nucleares ou, se for mais refinado, como material explosivo para armas.  (Reportagem adicional de Zahra Hosseinian)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.