Irã considera prematuro o Prêmio Nobel da Paz para Obama

Governo de Teerã afirma que não se opõe caso atitude singifique o 'rechaço da política belicista '

estadao.com.br,

09 de outubro de 2009 | 17h46

Comitê do Nobel tomou uma decisão "apressada" ao conceder o Prêmio Nobel da Paz ao presidente americano Barack Obama, informou a agência France Presse. Esta foi a reação oficial do governo iraniano nesta sexta-feira, 9, assinalando que não se opõe à premiação, caso ela permita uma mudança na política dos Estados Unidos.

 

Veja também:

linkNobel da Paz é 'chamado para ação', diz Obama

link Lula diz que, com Obama, Nobel da Paz está em 'boas mãos'

linkNobel para Obama é visto como estímulo, mas gera controvérsia
forum Enquete: Obama mereceu o Nobel da Paz?
video  Vídeo: anúncio do Nobel em Oslo

especial Especial: Veja a trajetória de Barack Obama

blog Blog do Piza: Escolha de Obama como Nobel é feliz

blog Blog do Gustavo Chacra: Nobel com duas guerras nas costas

blog Leia repercussão da escolha de Obama no mundo

video TV Estadão: 'Nobel pode impulsionar popularidade de Obama'

lista Veja a lista completa dos premiados com o Nobel da Paz

lista Leia tudo o que foi publicado sobre Barack Obama

 

"Se a obtenção deste prêmio estimula o rechaço da política belicista e unilateral das administrações anteriores, e gera uma atitude baseada na paz, então não nos opomos", disse o ministro das relações exteriores iraniano, Manuchehr Mottaki, de acordo com a agência Mehr.

 

Não obstante, Mottaki realçou que a decisão da Academia Sueca foi tomada "de maneira precipitada" e que o prêmio é "prematuro". Segundo ele, teria sido mais oportuno laurear Obama uma vez que "as tropas americanas tenham sido retiradas do Afeganistão, do Iraque".

 

"Esperamos que isso (o prêmio) lhe incite a tomar o caminho que irá contribuir com a justiça no mundo", dissera um pouco antes à Agência France Presse Ali Akba Javanfekr, um conselheiro do presidente Mahmud Ahmadinejad. "Não estamos incomodados, e esperamos que, ao receber este prêmio, (Obama) comece a empreender ações concretas com vistas a por fim à injustiça no mundo", acrescentou.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãObamaNobel da paz

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.