Irã considera troca de urânio enriquecido, diz imprensa estatal

País pode aceitar proposta da AIEA se tiver garantias que material nuclear chegará dentro de 'cronograma viável'

Agência Estado,

09 de março de 2010 | 09h28

O governo iraniano avalia a proposta de trocar combustível nuclear oferecida pela Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), caso algumas condições sejam cumpridas, informou nesta terça-feira, 9, a agência de notícias estatal Press TV em seu site nesta terça-feira. A agência cita como fonte da informação um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã.

 

Mais sobre o programa nuclear:

linkRússia considera impor sanções ao Irã por programa nuclear

 

O porta-voz Ramin Mehmanparast afirmou durante sua entrevista coletiva semanal que "a prioridade é obter combustível" para o reator de pesquisas médicas de Teerã. Se a AIEA indicar um país com urânio enriquecido a 20%, "o Irã prontos para comprar (esse combustível)", afirmou o porta-voz. "Além disso, se houver países prontos para uma troca que cumpra nossas condições, nós estamos prontos. Caso contrário, nós produziremos o combustível", continuou.

VEJA TAMBÉM:
Especial: O programa nuclear do Irã
Cronologia: O histórico de tensões e conflitos do país

 

Uma proposta de acordo apoiada pela AIEA prevê que o Irã envie ao exterior a maior parte de seu urânio pouco enriquecido. O material seria mais enriquecido, para voltar ao país e ser usado como combustível no reator de pesquisas médicas. O governo do Irã afirma que pode concordar com a troca, caso haja garantias de que o combustível será enviado ao país em um cronograma viável.

 

O enriquecimento de urânio pode ser usado tanto para produzir armas nucleares quanto para fins pacíficos. Para produzir bombas, o urânio precisa estar enriquecido a mais de 90%.

 

O programa nuclear iraniano é alvo de controvérsia internacional, pois potências como os EUA suspeitam que o país mantém uma iniciativa secreta para produzir armas. Teerã garante ter apenas fins pacíficos. O envio de urânio ao exterior aumentaria o controle internacional sobre esse material, reduzindo o risco de um programa nuclear secreto. As informações são da Dow Jones.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Irãurãnioprograma nuclearAIEA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.