Irã construirá mais duas usinas de enriquecimento de urânio

Anúncio deve aumentar impasse entre a República Islâmica e as potências ocidentais sobre programa nuclear

Efe,

22 de fevereiro de 2010 | 07h37

A construção de mais dois complexos de enriquecimento de urânio estão nos planos do governo iraniano para o próximo ano persa, que começa no dia 21 de março, revelou nesta segunda-feira o diretor do Organismo da Energia Atômica iraniano, Ali Akbar Salehi.

 

Veja também:

blog O controvertido Mahmoud Ahmadinejad

linkIrã rechaça suspeitas sobre programa nuclear do país

linkAgência da ONU teme que Irã possa fabricar armas nucleares

linkApós relatório da AIEA, Ocidente planeja sanções contra o Irã

 

Em declarações divulgadas por uma agência de notícias local, o também vice-presidente do país islâmico ressaltou que ambas as instalações serão edificadas sob colinas para garantir sua segurança e nelas serão colocadas "centrífugas de geração avançada". "As centrais contarão com a mesma superfície da planta de enriquecimento de Natanz", localizada no centro do país, detalhou.

 

"Se Deus quiser, e de acordo com as ordens do presidente Mahmoud Ahmadinejad, provavelmente começaremos a construção das duas novas unidades no próximo ano... Com a intenção de instalar em ambas centrífugas de nova geração", detalhou.

 

VEJA TAMBÉM:
Especial: O programa nuclear do Irã
Cronologia: O histórico de tensões e conflitos do país

O presidente iraniano já tinha adiantado meses atrás que seu país planejava a construção de uma dezena de novas usinas nucleares e pediu à agência atômica de seu país que buscasse situações seguras.

 

O Irã tem protagonizado um impasse com as potências ocidentais nas últimas semanas em torno de seu programa nuclear. O Ocidente acusa o governo de Ahmadinejad de manter o enriquecimento de urânio para a fabricação de armas nucleares, mas Teerã nega e diz que o único objetivo é a produção de energia para fins civis.

 

As potências acusam o Irã de não colaborar transparentemente com a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) da ONU e podem aplicar um novo pacote de sanções caso a República Islâmica não coopere com a negociações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.