Irã convida AIEA para resolver impasse nuclear

Convite para que especialistas visitem Teerã foi feito pessoalmente em Viena

Agencia Estado

25 Junho 2007 | 16h09

O principal negociador nuclear iraniano, Ali Larijani, convidou a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) a enviar uma equipe de especialistas a Teerã "a fim de desenvolver um plano de ação para resolver assuntos pendentes relativos ao programa nuclear do Irã no passado". Assim afirmou nesta segunda-feira, em Viena, a porta-voz da AIEA, Melissa Fleming. Larijani foi a essa cidade neste domingo, depois de se reunir no sábado com o alto representante de Política Externa e Segurança da União Européia, Javier Solana, em Lisboa. O convite foi feito pessoalmente pelo secretário do Conselho Supremo de Segurança Nacional do Irã. A iniciativa responde ao mal-estar da AIEA, que reclamou da gradual degradação da cooperação iraniana, mas não à questão principal do conflito entre Irã com os Estados Unidos e a UE: as atividades de enriquecimento de urânio. "A AIEA tentará enviar uma equipe tão logo quanto for possível", disse Fleming e disse que Larijani, secretário do Supremo Conselho de Segurança Nacional do Irã, foi a Viena na noite de 24 de junho para manter outra reunião com o diretor-geral do órgão. O negociador iraniano já tinha se encontrado com o diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Mohamed ElBaradei, na sexta-feira passada e, antes de viajar a Lisboa no sábado, propôs responder "todas as questões pendentes" sobre seu programa nuclear dentro de um plano concreto. Larijani se comprometeu no começo do mês, em Madri, com Solana a esclarecer os "assuntos pendentes" sobre os quais a AIEA tenta obter informação há anos, e que estão relacionados a uma possível produção de polônio e à detecção de esferas de urânio que levantaram suspeitas no passado. Em Lisboa, Larijani revisou com Solana o plano e suas "modalidades" para esclarecer em um prazo de dois meses alguns dos principais receios da AIEA sobre o programa nuclear de Teerã. Segundo ElBaradei, o objetivo deste passo é preparar o caminho para encontrar uma saída à crise. O governo iraniano quer também tirar o caso do Conselho de Segurança da ONU, onde há a deliberação de um possível endurecimento das sanções contra Teerã. No entanto, ElBaradei qualificou na sexta-feira de "produtivos" os contatos mantidos com Larijani, quando se começou a falar de um calendário. "Espero que possamos começar a planejar um plano de ação nas próximas semanas, que acredito que possa terminar em um prazo de dois meses", disse então ElBaradei. No entanto, a iniciativa iraniana ocorre no momento e que as potências do Conselho de Segurança estudam estabelecer uma terceira rodada de sanções contra Teerã, que endureça as impostas em dezembro e em março passados.

Mais conteúdo sobre:
Irã Ali Larijani AIEA Javier Solana

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.