Irã critica a Rússia por suspender entrega de mísseis devido a sanções

Para Teerã, sua segurança não depende de acordo e russos estão sendo 'humilhados' por EUA e Israel

REUTERS

23 de setembro de 2010 | 17h30

O Irã criticou a Rússia nesta quinta-feira, 23, por suspender a entrega de sistemas de defesa aérea ao país, afirmando que sua segurança não depende destes mísseis, informou uma agência de notícias.

Veja também:

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

lista Veja as sanções já aplicadas contra o Irã

O presidente russo, Dimitri Medvedev, assinou um decreto na quarta-feira proibindo a exportação de sistemas de mísseis de alta precisão e outras armas ao Irã.

Israel e os Estados Unidos fazem pressão para que Moscou desista de planos de vender os sistemas a Teerã, e autoridades russas prometeram não entregá-los, após dar apoio a uma nova rodada de sanções da Organização das Nações Unidas contra o Irã em junho.

"Esperamos que os russos ajam com mais independência em escolher seus caminhos", disse o ministro da Defesa, Ahmad Vahidi, segundo a agência de notícias Isna.

"Nossas capacidades de defesa não são dependentes destes mísseis", afirmou.

Países ocidentais suspeitam que o trabalho atômico do Irã é um disfarce para a produção de armas nucleares. Teerã nega as acusações e afirma necessitar de tecnologia nuclear para gerar eletricidade.

"Sempre que eles se recusaram a nos dar um produto, nós domesticamente fizemos um melhor... Mas claro que não estamos satisfeitos com que os russos estejam sendo humilhados pelos Estados Unidos e o regime sionista (Israel)", disse ele, segundo a Isna.

O S-300 é um sistema de defesa aéreo portátil e de longo alcance que pode detectar, perseguir e destruir mísseis balísticos, mísseis de cruzeiro e aeronaves em baixa altitude.

Nações ocidentais estão preocupadas sobre a cooperação de Moscou com Teerã em uma instalação nuclear construída pela Rússia no Irã, onde o processamento de combustível teve início no mês passado.

 

Leia ainda:

linkIrã pede condições justas para retomar negociações nucleares

linkRússia cancela venda de armas para o Irã

linkBrasil e emergentes querem que ONU condene sanções unilaterais

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.