Irã dará provas de programa nuclear pacífico, diz Rússia

Aumenta pressão sobre o regime persa após surgimento de nova usina de enriquecimento de urânio

estadao.com.br,

25 de setembro de 2009 | 18h32

O presidente russo, Dmitri Medvedev, disse nesta sexta-feira, 25, durante a reunião do G-20 em Pittsburgh que o Irã vai apresentar provas significativas das intenções pacíficas de seu programa nuclear na reunião do grupo dos seis (EUA, França, Reino Unido, Rússia, China e Alemanha) no próximo dia 1º de outubro.  Mais cedo, a Rússia afirmou que o Irã havia violado resoluções do Conselho de Segurança da ONU após vir a público a existência de um segundo centro de enriquecimento de urânio no país persa.

Veja também:

lista Conheça os números do poderio militar do Irã

lista Altos e baixos da relação entre Irã e EUA

especialEspecial: O histórico de tensões do Irã

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

especialEspecial: As armas e ambições das potências

Pela manhã,  o presidente americano, Barack Obama condenou a atitude iraniana. A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) confirmou que o Irã notificou a existência da usina.

O governo americano sustenta que há anos Teerã desenvolve um projeto de enriquecimento de urânio com perfil militar na cidade de Qom, paralelo ao reator de Natanz, cujas características técnicas, ainda de acordo com os EUA sugerem um reator voltado para produção de energia.

O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, disse que não deve satisfações de seu programa nuclear ao governo Obama, mas membros do programa nuclear do Irã afirmaram mais cedo que a instalação não era secreta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.