Irã desiste de pedir posto no conselho de governadores da AIEA

Antes querendo representar o Oriente Médio, país decide retirar sua candidatura por falta de apoio

estadão.com.br,

23 de setembro de 2010 | 18h14

VIENA- O Irã renunciou nesta quinta-feira, 23, a pedir um assento no conselho de governadores da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), órgão regulador da ONU, por falta de apoio a sua candidatura, informaram diplomatas que participam da Assembleia Geral dos 151 Estados membros do órgão. As informações são da agência de notícias AFP.

 

Veja também:

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

lista Veja as sanções já aplicadas contra o Irã

 

A renovação de 11 dos 35 governadores ds agência nuclear das Nações Unidas é um dos principais pontos da assembleia anual, organizada em sua sede, em Viena.

 

O conselho de governadores, órgão executivo junto a Assembleia Geral, tem aval para apresentar questões ao Conselho de Segurança da ONU, máximo órgão da entidade, em particular se existem membros que não respeitam o acordo de garantias na utilização pacífica da energia nuclear.

 

Este foi o caso em 2006, quando o conselho da AIEA apresentou o controverso programa nuclear iraniano ao Conselho de Segurança da ONU.

 

Segundo diplomatas da AIEA, Jordânia, Emirados Árabes Unidos e o Irã pretendiam um cargo correspondente à região do Oriente Médio.

 

Impasse

 

As potências ocidentais acusam o Irã de esconder, sob seu programa nuclear civil, outro de natureza clandestina e aplicações bélicas, cujo objetivo seria a aquisição de armas atômicas e, por isso, aprovaram uma quarta rodada de sanções contra o país no CS me junho. Teerã nega tais alegações.

 

As tensões sobre o programa nuclear iraniano se acirraram no final do ano passado após o Irã rejeitar uma proposta de troca de urânio feita por EUA, Rússia e Reino Unido. Meses depois, o país começou a enriquecer urânio a 20%.

 

Um acordo mediado por Brasil e Turquia para troca de urânio chegou a ser assinado com o Irã em maio. O acordo, porém, foi rejeitado pelo Grupo de Viena - composto por Rússia, França, EUA e AEIA - e o Conselho de Segurança da ONU optou por impor uma quarta rodada de sanções ao país.

 

Leia ainda:

linkIrã critica a Rússia por suspender entrega de mísseis

linkIrã pede condições justas para retomar negociações nucleares

linkRússia cancela venda de armas para o Irã

linkBrasil e emergentes querem que ONU condene sanções unilaterais

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.