AP
AP

Irã determina produção de urânio enriquecido a 20%

Ahmadinejad afirma que ordem não significa renúncia de seu país à negociação sobre instalações nucleares

AE-AP-Dow Jones

07 de fevereiro de 2010 | 17h08

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, determinou à agência nuclear do país que eleve a 20% o grau de enriquecimento do urânio iraniano. A orientação, transmitida neste domingo pela TV estatal iraniana, surge em meio a discussões entre Teerã e o Ocidente sobre uma proposta da Organização das Nações Unidas (ONU) pela qual o Irã exportaria urânio para enriquecimento em outros países.

 

Durante reunião com autoridades iranianas, Ahmadinejad dirigiu-se ao chefe do programa nuclear do Irã, Ali Akbar Salehi, e ordenou que o país comece a enriquecer urânio a um nível mais alto. "Salehi, comece a produção (de urânio enriquecido) a 20%", disse o presidente. Ahmadinejad não estabeleceu uma data para o início da produção.

 

Veja também:

linkReino Unido vê planos do Irã urânio com 'grave preocupação'

linkGates pede união para enfrentar tensão com o Irã

linkIrã não apresentou novas propostas, diz chefe da AIEA

linkEUA e UE duvidam de aceno do Irã para acordo nuclear

linkBrasil não teria 'preconceito' de receber urânio do Irã, diz Amorim 

 

 

A comunidade internacional teme que o urânio venha a ser utilizado pelo Irã para a produção de armas nucleares. Teerã, no entanto, afirma que seu programa tem fins pacíficos. Atualmente, o Irã usa centrífugas para enriquecer urânio a até 4,5% para uso em sua primeira usina nuclear, que está sendo construída com auxílio da Rússia e que deverá iniciar operações ainda este ano.

 

O pronunciamento de Ahmadinejad coincide com o convite do Secretário de Defesa dos Estados Unidos, Robert Gates, para que a comunidade internacional se una para pressionar o Irã a abandonar seu programa nuclear. Em conversa com jornalistas durante um tour de uma semana pela Europa, Gates afirmou que "se a comunidade internacional se juntar e pressionar" o Irã, "acredito que ainda há tempo para que as sanções funcionem".

 

Ele recusou a ser mais específico sobre os tipos de sanções que tem em mente, mas explicou que o foco seria pressionar o governo em Teerã, e não afetar as pessoas. Em seu comentário na TV estatal, Ahmadinejad disse: "Se Deus quiser, o enriquecimento a 20% começará" para atender às necessidades do Irã.

 

O Reino Unido também se mostrou preocupado com os planos do Irã. Em pronunciamento divulgado pelo Escritório de Relações Exteriores, em Londres, a porta-voz do Ministério disse que os "relatos de que o Irã está planejando enriqueceu parte de seu combustível para o nível de 20% são claramente um motivo de séria preocupação".

 

O Irã e o Ocidente têm discutido um plano da União Europeia, sob o qual os iranianos exportariam seu urânio pouco enriquecido para que o processo fosse finalizado em outro país. O plano da Agência Internacional de Energia Atômica (IAEA, na sigla em inglês) foi desenhado no início de outubro, em um encontro em Genebra entre o Irã e seis potências do mundo. Foi revisto no fim daquele mês em Viena, durante discussões entre Irã, Estados Unidos, Rússia e França.

 

O encontro de Viena resultou em um rascunho de proposta que tiraria 70% do urânio pouco enriquecido do Irã, com objetivo de reduzir seu estoque do material, evitar maior enriquecimento e, consequentemente, a possibilidade de fabricação de armas nucleares. Esse urânio retornaria um ano depois, refinado de maneira que serviria para reatores de energia, mas não para fabricação de armas.

 

Ahmadinejad havia sinalizado, na semana passada, uma possível mudança em sua política, dizendo que estaria pronto para exportar urânio para enriquecimento no exterior. Ele chegou a afirmar que o Irã "não teria problemas" com o plano. Os comentários de hoje, entretanto, parecem justificar o ceticismo acerca da possibilidade de que seus comentários de terça-feira iam ao encontro dos líderes mundiais.

 

Hoje, Ahmadinejad não mencionou seu anúncio anterior sobre o tema, dizendo apenas que o Irã continua preparado para "interação" com o Ocidente a respeito de fornecer combustível para o Irã "sem condições". Mas o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores, Ramin Mehmanparast, comentou hoje que o enriquecimento no grau de 20% para utilização nos reatores de Teerã está dentro do direito do país, como um membro da IAEA. O enriquecimento de urânio será conduzido sob a supervisão da IAEA, disse. As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.