Irã deve confirmar acordo nuclear com Brasil e Turquia por escrito, diz AIEA

Irã diz que irá entregar 1.200 kg de urânio para receber em troca o material nuclear para reator médico

estadão.com.br,

17 Maio 2010 | 18h23

VIENA- A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) pediu nesta segunda-feira, 17, ao Irã que confirme por escrito o acordo sobre a troca de parte de seu urânio levemente enriquecido por combustível no exterior, segundo a agência de notícias AFP.

 

Veja também:

linkAcordo não elimina, mas dificulta sanções

linkIrã enriquecerá urânio a 20% mesmo com acordo

linkLula diz que acordo é vitória da diplomacia

linkIrã fala em retomar diálogo com potências

linkAmorim diz que acordo impede novas sanções

 

"A AIEA recebeu o texto da declaração comum do Irã, Turquia e Brasil firmada hoje em Teerã", declarou a porta-voz da organização, Gill Tudor.

 

"Na linha do que se expôs lá, esperamos agora do Irã uma notificação escrita que indique que está de acordo com as disposições mencionadas na declaração", indicou.

 

Os presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Mahmoud Ahmadinejad, do Irã, além do primeiro-ministro da Turquia, Tayyip Erdogan, fecharam hoje o acordo para que o urânio iraniano levemente enriquecido seja enviado ao território turco e, em troca, o país receba o produto enriquecido a 20%.

 

Pelo acordo, o urânio enriquecido a 20% será remetido no prazo de um ano. Nesse período, haverá supervisão de inspetores turcos e iranianos.

 

O acordo foi assinado por Lula, Ahmadinejad e Erdogan durante reuniões paralelas do G15 (grupo que reúne 18 países não alinhados) em Teerã. Para as autoridades, o acordo encerra o impasse envolvendo o programa nuclear iraniano.

 

O acordo é parecido com a proposta formulada pelo grupo 5+1 (os cinco países com assentos permanentes no Conselho de Segurança mais a Alemanha) em outubro passado e permitirá o envio do urânio iraniano para a Turquia, aonde ficará armazenado até que o país persa receba no prazo de um ano 120 quilogramas de urânio enriquecido a 20 por cento.

 

Saiba mais

linkEntenda a polêmica envolvendo o programa nuclear do Irã

linkVeja a íntegra da declaração conjunta assinada por Brasil, Irã e Turquia

Mais conteúdo sobre:
AIEA Irã Brasil Turquia acordo nuclear urânio

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.