'Irã deve escolher entre cooperação e confronto', dizem EUA

Negociações sobre programa nuclear terminam sem acordo; novo encontro deve acontecer em 2 semanas

Reuters e agências internacionais

19 de julho de 2008 | 14h08

Os Estados Unidos anunciaram que o Irã deve fazer uma escolha entre a "cooperação" e o "confronto" em relação às negociações sobre a interrupção de seu programa nuclear. A declaração foi dada pelo porta-voz do Departamento de Estado, Sean McCormack, depois do encontro entre representantes do Irã, da UE e dos EUA em Genebra, neste sábado, 19.     "Esperamos que o povo iraniano compreenda que os seus líderes devem fazer uma escolha entre a cooperação, que traria benefícios a todos, e o confronto, que só resultaria em mais isolamento", disse McCormack.       O representante do governo iraniano, Saeed Jalili, se reuniu neste sábado com o alto representante de Política Externa e Segurança Comum da União Européia (UE), Javier Solana, e com do subsecretário de Estado para Assuntos Políticos dos Estados Unidos, William Burns. Durante o encontro, o Irã descartou interromper o processo de enriquecimento de urânio, mas concordou em realizar uma nova rodada de negociações.     Durante as conversas, Teerã descartou interromper seu processo de enriquecimento de urânio. Mas Solana disse aos repórteres, após o encontro, que o negociador iraniano, Saeed Jalili, concordou em voltar a conversar em até duas semanas. "Fizemos uma oferta. Não tivemos uma resposta clara de sim ou não e esperamos que ela seja dada em breve", afirmou   Os membros do Conselho de Segurança da ONU (Estados Unidos, Rússia, China, França e Reino Unido) e a Alemanha apresentaram uma proposta de cooperação econômica e política para que o Irã aceitasse encerrar o seu programa nuclear. Segundo a BBC, o pacote inclui uma série de medidas para ajudar o Irã a desenvolver um programa nuclear civil.     O Irã vem se recusando a interromper seu programa de enriquecimento de urânio, apesar da pressão internacional. Os Estados Unidos e outros países do Ocidente temem que o Irã, sigilosamente, tente desenvolver uma bomba nuclear, e por isso exigem o fim do programa iraniano. No entanto, o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, diz que o seu programa nuclear tem fins pacíficos e é um direito do povo iraniano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.