Irã diz estar pronto para aderir a consórcio nuclear no golfo

O Irã estaria pronto para se unir aogrupo que proveria urânio enriquecido para usuários do OrienteMédio, disse uma autoridade iraniana nesta sexta-feira, após aArábia Saudita fazer a proposta como uma maneira de acalmar astensões nucleares entre Teerã e o Ocidente. Mas a autoridade, que disse que a idéia era inicialmente doIrã, não mencionou o próprio programa do país islâmico deenriquecimento de urânio. Líderes iranianos têm se recusado sistematicamente a daratenção às demandas da Organização das Nações Unidas parainterromper seu programa, que é alvo de suspeitas peloOcidente, que acredita que o Irã pretenda fabricar bombasnucleares. "O assunto do consórcio é um assunto que a RepúblicaIslâmica levantou primeiro", disse Mohammad Reza Bagheri,autoridade do Ministério das Relações Exteriores, segundo aagência Isna. "Se os países árabes estão prontos para entrar no consórciocom o Irã, nós ainda dispomos de nossa proposta inicial eestamos prontos para isso." Na quinta-feira, o ministro das Relações Exteriores daArábia Saudita, o príncipe Saud al-Faisal, disse à revistaMiddle East Economic Digest que os países árabes do golfoPérsico que são aliados dos Estados Unidos estavam dispostos acriar uma entidade que forneça urânio enriquecido para o Irã. "Faremos isso de forma coletiva através de um consórcio quefará a distribuição de acordo com as necessidades, dando paracada usina a quantidade necessária, e garantindo que o urânioenriquecido não seja usado em armas atômicas", disse opríncipe, segundo o site da revista na Internet. Arábia Saudita, Kuweit, Omã, Catar, Barein e EmiradosÁrabes Unidos estariam ligados a participar do consórcio. (Por Zahra Hosseinian)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.