Irã diz que ainda aceita negociar troca de urânio com o exterior

Atividades nucleares do país, porém, não são negociáveis, segundo porta-voz da chancelaria

Reuters

05 de abril de 2010 | 10h38

TEERÃ - O Irã continua disposto a negociar uma solução no seu impasse nuclear com o Ocidente, mas desde que as potências estrangeiras aceitem uma troca de combustível nuclear em território iraniano, disse a chancelaria nesta segunda-feira, 5.

Enquanto os EUA buscam apoio da China e da Rússia para novas sanções ao Irã no Conselho de Segurança da ONU, a República Islâmica continua desafiadora, alegando que as sanções não irão conter o desenvolvimento da sua tecnologia nuclear, que o país garante estar voltado para fins pacíficos

"Não vamos abrir mão dos nossos direitos (nucleares) com ameaças e pressão, resoluções e sanções", disse Ramin Mehmanparast, porta-voz da chancelaria, à TV Alalam.

Em outubro, o Irã concordou em princípio com a proposta de enviar urânio baixamente enriquecido para ser reprocessado no exterior e preparado para o uso em um reator de pesquisas médicas. O Ocidente acha que assim o Irã teria mais dificuldades para enriquecer urânio até o nível necessário para o uso em armas atômicas.

Mas logo em seguida Teerã passou a exigir uma troca direta do urânio baixamente enriquecido pelo urânio mais puro, e que isso ocorresse no seu território.

Mehmanparast disse que essa condição está mantida, e acusou as outras partes de renegarem suas obrigações. "Dissemos a eles que vocês não estão sendo honestos, que parece que  não querem fornecer o combustível e que estão nos enganando", afirmou o porta-voz, segundo o site da Alalam.

"Se eles atenderem às nossas condições, estamos prontos para negociar sobre a provisão do combustível nuclear para o reator de Teerã imediatamente, mas não vamos negociar a respeito das atividades nucleares do Irã", disse Mehmanparast.

A China, que compra muito petróleo do Irã, até agora evita apoiar publicamente novas sanções ao país, apesar dos apelos dos EUA. O chanceler Yan Jiechi se reuniu na sexta-feira com o negociador nuclear iraniano e pediu "flexibilidade".

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, deve anunciar na sexta-feira "um novo feito nuclear", disse o chefe da Organização de Energia Atômica do Irã, Ali Akbar Salehi, à agência Isna, sem entrar em maiores detalhes.

Tudo o que sabemos sobre:
Irãprograma nucleartrocaurânio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.