Irã diz que EUA viverão 'tragédia' se atacarem o país

A Guarda Revolucionária do Irã disse,nesta quarta-feira, que os Estados Unidos podem enfrentar uma"tragédia" caso ataquem a república islâmica. "Aconselhamos as autoridades norte-americanas a ter cuidadopara não sofrer com outra tragédia", afirmou Mohammad Hejazi,importante comandante da guarda de elite, segundo a agência denotícias oficial Irna. "Nossa última palavra é que, se vocês forem avançar sobre oIrã, lembrem-se de trazer bengalas e pernas mecânicas porquevocês não terão pernas para voltar para casa", disse. Os comentários de Hejazi vêm em meio aos rumores deiminente ataque militar aos sítios nucleares iranianos, quecirculam pelo mercado. O impasse entre o Ocidente e Teerã despertou medo de umconfronto militar que prejudicaria o suprimento de petróleo. Nasemana passada, um relatório disse que Israel se preparava paraum possível ataque contra as instalações nucleares iranianas. Washington diz preferir as sanções diplomáticas para fazercom que o Irã suspenda suas atividades nucleares, mas nãodescarta uma ação militar caso a diplomacia falhe. Uma importante autoridade iraniana negou na terça-feira osrumores do mercado. O Ocidente acredita que o programa nuclear do país tenha oobjetivo de desenvolver armas atômicas, mas o Irã insiste quequer apenas produzir energia de forma pacífica. O jornal New York Times citou autoridades norte-americanas,que teriam dito que Israel estava fazendo treinos militares,aparentemente um ensaio para um bombardeio contra o Irã. Analistas dizem que as instalações nucleares no Irã são tãonumerosas, distantes e fortificadas que Israel não poderiaatacá-las sozinho. Eles dizem que os Estados Unidos teriam muito mais poder defogo contra o Irã, mas este responderia com ataques às forçasnorte-americanas no Iraque, prejudicando o abastecimentomundial de petróleo. Também na quarta-feira, o influente membro do Parlamentomanifestou-se contra a União Européia por ter imposto novassanções, apesar dos esforços diplomáticos para resolver aquestão. Na segunda-feira, os 27 países membros UE acertaram novassanções contra negócios e indivíduos que o Ocidente acreditaestarem ligados aos programas nuclear e balísticos iranianos. Adecisão veio dez dias depois das potências terem oferecidoincentivos diplomáticos ao Irã. (Reportagem de Zahra Hosseinan e Hossein Jaseb)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.