Irã diz que o Ocidente fracassou em conter avanço nuclear

Ahmadinejad descarta ação militar dos EUA e afirma que iInimigos são incapazes de adotar sanções contra o país

Reuters e Efe,

11 de junho de 2008 | 07h44

A pressão ocidental não conseguiu conter o avanço do programa nuclear iraniano, disse o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad nesta quarta-feira, 11, um dia depois dos Estados Unidos e da União Européia terem ameaçado a República Islâmica com mais sanções. O desafio de Ahmadinejad também vem apenas alguns dias antes do chefe de política externa da União Européia, Javier Solana, viajar a Teerã para oferecer benefícios econômicos e diplomáticos em troca da suspensão do trabalho atômico.   "Os inimigos utilizaram durante os últimos anos todas suas capacidades de propaganda e sabotagem, impuseram o bloqueio econômico e ameaçaram militarmente ao Irã, além de usar a guerra psicológica e as pressões políticas contra nós", disse Ahmadinejad, que descartou também uma ação militar americana contra seu país. "Com a ajuda de Deus hoje, (a nação iraniana) triunfou e os inimigos não podem fazer nada", disse Ahmadinejad em um discurso transmitido ao vivo na televisão estatal. Na sua opinião, o presidente dos Estados Unidos, George W. "Bush não pode dirigir nenhuma bofetada ao povo iraniano, nem prejudicar um palmo de nosso território", disse Ahmadinejad. "Erram os inimigos se acham que podem derrotar os iranianos (...), os iranianos os fariam se arrepender", acrescentou. "Vimos que o povo iraniano não foi afetado, e agora alcançou o ponto mais alto na tecnologia nuclear, e esses (Ocidente) não poderão impedir a a marcha de nosso povo", pois "os iranianos cortarão as mãos das forças arrogantes", concluiu. O Irã, quarto maior produtor de petróleo do mundo, insiste que não vai desistir de seu programa nuclear que, segundo as autoridades iranianas, tem o único objetivo de gerar eletricidade. O Ocidente, no entanto suspeita de que o Irã também queira produzir bombas atômicas. Reunidos na Eslovênia, os Estados Unidos e os 27 países-membros da União Européia disseram na terça-feira que estão prontos para impor mais sanções contra o Irã devido ao seu programa nuclear. Já houve três rodadas de sanções da Organização das Nações Unidas (ONU) desde meados de 2006. Washington pressiona a União Européia para negar o acesso de alguns bancos iranianos ao sistema financeiro mundial. A comissária Européia de Relações Exteriores, Benita Ferrer-Waldner, disse que os próximos passos da União Européia podem congelar os ativos dos bancos iranianos.

Mais conteúdo sobre:
IrãEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.