Arte/estadão.com.br
Arte/estadão.com.br

Irã diz que sanções vão falhar e repete ameaça de Ormuz

Segundo governo de Teerã, restrições ao petróleo não prejudicam a república islâmica

Reuters

24 de janeiro de 2012 | 18h30

TEERÃ - Políticos iranianos disseram nesta terça-feira, 24, que esperam que a União Europeia volte atrás do embargo imposto ao petróleo iraniano e repetiram a ameaça de fechar o importante canal de navegação no Estreito de Ormuz se o Ocidente impedir Teerã de exportar seu petróleo.

 

Veja também:

linkVeja as sanções já aplicadas contra o Irã

link ESPECIAL: Relembre outros ataques contra o Irã

link ESPECIAL: O programa nuclear do Irã

Um dia depois de a UE aprovar um embargo ao petróleo iraniano, o tom do discurso do Irã foi de desafio, mesmo de ceticismo, com Teerã insistindo que, com a UE enfrentando uma crise econômica, precisa mais do petróleo do Irã do que o Irã precisa dos seus negócios. A proibição deve entrar totalmente em vigor dentro de seis meses.

"As ineficazes sanções do Ocidente contra o Estado islâmico não são uma ameaça para nós. Elas são oportunidades e já trouxeram vários benefícios ao país", disse o ministro da Inteligência, Heydar Moslehi, à agência de notícias oficial Irna.

Falando em Londres, o embaixador saudita na Grã-Bretanha, príncipe Mohammad Bin Nawaf, disse que a região testemunhava "uma situação muito difícil e muito tensa". "Vimos todos os dias uma escalada na retórica e isso definitivamente não ajuda a estabilizar a região", disse. "Acho que as próximas semanas serão muito importantes para toda a região. Esperamos que o Irã aceite as propostas apresentadas."

Ele disse que as ameaças do Irã de bloquear o Estreito de Ormuz teriam grandes consequências sobre a República Islâmica e a região. "Será muito difícil manter tal bloqueio contra a exportação de petróleo, mas as ramificações de tal decisão seriam muito graves e definitivamente provocariam uma escalada em toda a situação e Deus sabe aonde isso levaria. Definitivamente, os iranianos pagarão um preço muito alto se apostarem e tomarem essa decisão", disse o enviado saudita.

A UE quer pressionar o Irã a suspender seu polêmico programa nuclear e que volte à mesa de negociações com as seis potências mundiais.

Um porta-voz do Ministério do Petróleo disse que o Irã tinha tempo suficiente para se preparar para as sanções e encontraria outros compradores para os 18 por cento de suas exportações que até agora iam para o bloco europeu de 27 países.

"A primeira fase (das sanções) é propaganda, só então vai entrar na fase de implementação. É por isso que puseram esse período de seis meses, para estudar o mercado", disse Alireza Nikzad Rahbar, prevendo que o embargo pode ser revogado antes que entre em vigor completamente.

"Esse mercado vai prejudicá-los porque o petróleo está ficando mais caro, e quando o petróleo fica mais caro, isso afeta o povo da Europa", disse ele segundo a televisão estatal. "Esperamos que nestes seis meses eles escolham o caminho certo".

O embargo não entrará totalmente em vigor até 1o de julho porque os ministros das Relações Exteriores do bloco que concordaram com a proibição em uma reunião em Bruxelas não queriam castigar as economias fragilizadas da Grécia, Itália e outras para as quais o Irã é um grande fornecedor de petróleo. A estratégia será revista em maio, quando será decidido se irá continuar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.