Irã diz que vai triplicar capacidade de enriquecer urânio

Segundo diretor da agência iraniana de energia atômica, enriquecimento terá a surpevisão da AIEA

REUTERS

08 de junho de 2011 | 09h27

Irã vai enriquecer urânio a 20% em nova usina nuclear

 

TEERÃ - O Irã pretende triplicar sua capacidade de produção de urânio de elevado grau de pureza e está transferindo essa atividade de enriquecimento nuclear de uma instalação usada há anos para outra que só foi revelada em 2009, informou a emissora estatal IRIB nesta quarta-feira, 8.

 

Veja também:

lista Veja as sanções já aplicadas contra o Irã

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

 

"Este ano, sob supervisão da Agência (Internacional de Energia Atômica, a AIEA), nós vamos transferir 20%  do enriquecimento da instalação de Natanz para a de Fordow, e vamos ampliar em três vezes a capacidade de produção", disse a jornalistas o diretor da agência iraniana de energia atômica, Fereydoun Abbasi-Davani, depois de uma reunião no governo, segundo a IRIB.

O enriquecimento de urânio está no centro de uma disputa do Irã com vários países, liderados pelos Estados Unidos, que acreditam que a República Islâmica esteja desenvolvendo armas nucleares, o que o país nega.

Várias rodadas de sanções internacionais não conseguiram deter o programa do Irã, que o considera um direito soberano. O anúncio desta quarta-feira deve alarmar ainda mais as potências ocidentais.

O urânio enriquecido pode ser usado para alimentar usinas de energia, o motivo declarado pelo Irã, ou para ser usado em bombas, caso o material seja ainda mais processado.

Na segunda-feira, o diretor da AIEA, Yukiya Amano, disse ter recebido novas evidências de possível dimensão militar para a atividade nuclear do Irã, o que levou o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, a dizer que essas declarações eram ditadas pelos EUA, inimigos do Irã.

Tudo o que sabemos sobre:
Irãprograma nuclearurânioAIEA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.