Irã diz ter 5 mil centrífugas para enriquecimento de urânio

O Irã tem agora 5 mil centrífugas de enriquecimento de urânio em operação, disse nesta quarta-feira o diretor do órgão nuclear do país, segundo a agência estatal de notícias. O comentário indica a aceleração de um trabalho que o Ocidente teme estar relacionado com a produção de bombas nucleares. Temos agora 5 mil centrífugas em operação, disse Gholamreza Aghazadeh, diretor da Organização de Energia Atômica do Irã, de acordo com a agência oficial de notícias IRNA. A suspensão do enriquecimento nuclear não faz parte do nosso vocabulário. O enriquecimento de urânio pode ter fins civis e militares. O Irã, quarto maior produtor de petróleo do mundo, diz que seu programa nuclear tem o objetivo de produzir eletricidade, o que permitiria a exportação de mais petróleo e gás. A agência nuclear da Organização das Nações Unidas, a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), afirmou neste mês que o Irã tinha 3.800 centrífugas de enriquecimento de urânio, e que outras 2.200 estavam sendo gradualmente introduzidas. Mas os dados da agência mostram que o Irã não havia aumentado o número de centrífugas em operação desde setembro, quando o nível de 3.800 havia sido atingido. O motivo para o progresso relativamente lento do Irã não estava claro, disseram membros da ONU na época. Em outra versão divulgada mais tarde pela IRNA, Aghazadeh teria dito que o Irã tem mais de 5 mil centrífugas em operação e que planeja expandir ainda mais a base de enriquecimento de Natanz, no centro do país. Outra autoridade iraniana, o vice-ministro do Exterior Alireza Sheikh Attar, disse em agosto que a República Islâmica tinha 4 mil centrífugas em operação. (Reportagem de Parisa Hafezi)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.