Irã diz ter evitado atentado terrorista em Teerã e detém suspeitos

Rebeldes admitiram estar ligados a grupo sediado no Iraque que realiza ataques contra o regime

Efe

16 de junho de 2010 | 15h04

TEERÃ - O ministro de Inteligência do Irã, Heydar Moslehi, assegurou que os serviços secretos do país evitaram uma tentativa de atentado a bomba que aparentemente pretendia perpetrar em Teerã o grupo opositor no exílio Mujahedin Khalq (Combatentes do Povo).

 

Veja também:

linkGuarda Revolucionária se instala na fronteira com o Iraque

 

Moslehi afirmou que durante a operação foram detidos inúmeros membros desta organização, contrária ao regime iraniano desde a década de 80. "Este grupo terrorista planejava explodir uma bomba em várias praças de Teerã. Pretendia aterrorizar a população inocente em vários distritos importantes e sensíveis", explicou o clérigo, citado pela televisão estatal em inglês.

 

Moslehi, que não detalhou o número de terroristas detidos, acusou de novo aos EUA, o Reino Unido e a Suécia de apoiarem as atividades dos Mujahedin Khalq. A agência Mehr afirmou posteriormente que o embaixador britânico no país foi convocado para prestar esclarecimentos sobre o episódio.

 

Além disso, o ministro assinalou que os rebeldes tinham recebido treinamento militar no Iraque e que planejavam, além disso, criar confusão incendiando carros da Polícia e motocicletas.

 

O site da emissora estatal PressTV divulgou, horas depois, a informação que assegurava que duas pessoas tinham confessado diante das câmeras que faziam parte de um complô para atentar em dois movimentados cruzamentos de Teerã. EFE

 

A convocação do embaixador britânico se justifica pelas informações dadas por essas fontes, que admitiram ter recebido ajuda e instruções de uma mulher de Londres e outra da Suécia supostamente ligadas aos mujahedin.

 

A PressTV ainda informou que os detidos admitiram ter sido treinados em campos da organização no Iraque e que a data para que o atentado fosse realizado era entre 10 e 20 de junho, coincidindo com o primeiro aniversário da reeleição do presidente Mahmoud Ahmadinejad, que a oposição considera "fraudulenta".

 

Fundado na década de 70, o grupo Mujahedin Khalq foram acolhidos no Iraque depois da Revolução Islâmica de 1979. A partir do país vizinho, eles realizam ataques contra o regime iraniano.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãIraquemujahedinterrorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.