Irã diz ter provas de que EUA apoiaram grupo que matou policiais

O Irã tem documentos que provam que os Estados Unidos e a Grã-Bretanha deram apoio a um grupo que matou 16 policiais iranianos, afirmou a rádio estatal do país neste sábado. O Irã afirmou neste mês que o grupo sunita Jundollah ("soldados de Alá") matou 16 policiais que foram sequestrados de um posto de fronteira na província de Sistan-Baluchestan, em junho. Teerã --que frequentemente acusa a Grã-Bretanha e os Estados Unidos de tentarem desestabilizar a República Islâmica-- afirmou que o chefe do grupo Jundollah, Abdolmalek Rigi, é parte da rede Al Qaeda. "Há documentos que mostram que a Grã-Bretanha e os Estados Unidos estão dando apoio ao grupo terrorista de Rigi, com armas e informação", noticiou a rádio, citando Ebrahim Raisi, primeiro vice-chefe do Judiciário do Irã. "A nação iraniana vingará poderosamente o sangue dos soldados do posto de fronteira", acrescentou, sem fornecer mais detalhes sobre os documentos. "Todas as forças --polícia, segurança e Judiciário-- estão determinadas a lidar fortemente com os soldados do demônio", afirmou Raisi, referindo-se ao Jundollah.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.