Irã e AIEA vêem progresso em discussão atômica

O Irã e a Agência Internacional deEnergia Atômica (AIEA, um órgão das Nações Unidas) disseramnesta terça-feira que houve progresso nas discussões sobre comotornar o programa nuclear iraniano mais transparente, o queajudaria a poupar o país de novas sanções. Após dois dias de reuniões em Teerã, os dois lados tambémafirmaram concordar com um cronograma para responder às dúvidasremanescentes sobre o programa nuclear do Irã, que o Ocidenteafirma servir de disfarce para o desenvolvimento de armasnucleares. O governo iraniano nega a acusação e alega que o programaserve apenas para a geração de eletricidade com fins civis. "Temos diante de nós um plano de trabalho. Concordamossobre como implementá-lo. Temos um cronograma deimplementação", disse o subdiretor da AIEA Olli Heinonen, queclassificou as reuniões como "boas, produtivas." O Irã aceitou em junho preparar dentro de 60 dias um planode ação destinado a dar aos inspetores da ONU mais acesso àsinstalações nucleares do país. "Temos um marco básico de acordo entre o Irã e a agência",disse o sub-negociador iraniano, Javad Vaeedi, em entrevistaconjunta na qual declarou que as reuniões trouxeram "ótimosresultados". Os EUA exigem que o Irã suspenda suas atividades nuclearesestratégicas e coopere com a AIEA. A última rodada de negociações deveria tratar dos temasmais espinhosos, como a origem dos traços de urânio altamenteenriquecido (apto para bombas) achados em alguns equipamentos eo status das pesquisas com centrífugas avançadas, usadas noenriquecimento de urânio. O Irã e a AIEA já haviam mantido conversações em julho e nocomeço deste mês. Após os encontros de julho, Teerã autorizou oacesso de inspetores às obras do reator de água-pesada de Arak,que estava suspenso desde abril, em reação às sanções da ONU. O Conselho de Segurança da ONU já impôs dois pacotes desanções ao Irã desde dezembro, exigindo que o país paralise oenriquecimento de urânio, processo que pode gerar combustívelpara reatores civis, mas também material para armas nucleares.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.