Irã e ONU encerram discussões 'construtivas', diz agência

O Irã concluiu na terça-feira uma "construtiva" rodada de discussões com a agência nuclear da ONU, e novas reuniões estão programadas, segundo relato da agência semioficial de notícias Fars.

REUTERS

31 de janeiro de 2012 | 17h52

"As conversas entre o Irã e a equipe visitante de inspetores da Agência Internacional de Energia Nuclear (AIEA) foram construtivas e (...) os dois lados concordaram em continuar as discussões", disse uma fonte não-identificada à Fars.

Os inspetores chegaram no sábado a Teerã para discutir com as autoridades locais as suspeitas ocidentais de que o país estaria tentando desenvolver armas atômicas - algo que a República Islâmica nega insistentemente, alegando que seu objetivo é gerar energia para fins civis.

A Fars disse que as datas de novas reuniões já foram marcadas, mas não deu detalhes.

A TV Al Alam, emissora estatal iraniana em língua árabe, citou um funcionário não-identificado segundo o qual apenas "questões técnicas e jurídicas foram discutidas durante as conversas", e que a equipe internacional não visitou instalações nucleares.

Também na terça-feira, estudantes radicais iranianos se reuniram em frente à sede da AIEA, em Viena , para protestar contra a visita dos inspetores, segundo a agência iraniana de notícias Isna.

A tensão do Irã com o Ocidente aumentou neste mês por causa da decisão dos EUA e da União Europeia de endurecer suas sanções contra Teerã, na expectativa de pressionar o governo local a fornecer mais informações sobre o seu programa nuclear. As medidas afetam diretamente as exportações de petróleo do Irã, segundo maior produtor da Opep.

O Irã acusou a UE de promover uma "guerra psicológica", e ameaçou interromper o fornecimento de petróleo para o continente antes de 1o. de julho, quando entram em vigor as sanções europeias.

Além disso, as autoridades iranianas minimizam repetidamente as sanções, dizendo que o país se tornou mais autossuficiente.

A UE comprou em 2011 um quarto de todo o petróleo exportado pelo Irã. Mas analistas dizem que o mercado global de petróleo não será claramente perturbado se o Parlamento iraniano aprovar o embargo nas exportações para a Europa.

Potencialmente mais nocivo para o mercado de petróleo e para a segurança global seria o risco de que o impasse do Irã com o Ocidente dê lugar a um conflito militar.

O Irã ameaça repetidamente fechar o estreito de Ormuz, a "boca" do golfo Pérsico, para impedir a exportação de petróleo por essa via marítima - algo que Washington diz que não toleraria.

(Reportagem de Zahra Hosseinian e Parisa Hafezi)

Tudo o que sabemos sobre:
IRAAIEACONVERSAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.