Ali Abbas/Efe
Ali Abbas/Efe

Irã e potências marcam nova reunião sobre impasse nuclear

Teerã pede suspenção de sanções; Ocidente quer abandono do programa nuclear

ANDREW QUINN E JUSTYNA PAWLAK, REUTERS

24 Maio 2012 | 17h52

BAGDÁ - O Irã e as potências mundiais decidiram se reunir novamente no mês que vem na Rússia em uma nova tentativa de encerrar o prolongado impasse sobre o programa nuclear iraniano, após uma inconclusiva discussão em Bagdá, no Iraque.

Veja também:

link Negociação nuclear do Irã com potências atinge impasse sobre sanções

link Potências mundiais e Irã começam negociação nuclear em Bagdá

Potências ocidentais querem que o Irã abandone seu programa de enriquecimento de urânio, temendo que ele leve ao desenvolvimento de armas nucleares. Teerã diz que seu programa é pacífico e exige a suspensão das sanções econômicas impostas nos últimos anos.

Ambos os lados, porém, têm boas razões para não abandonar a diplomacia. As potências temem uma guerra no Oriente Médio caso Israel ataque instalações nucleares iranianas, ao passo que Teerã deseja reverter a iminente proibição ocidental à importação do petróleo iraniano.

As discussões em Bagdá foram prorrogadas para um inesperado segundo dia, mas a chefe da diplomacia da União Europeia, Catherine Ashton, disse que diferenças significativas permaneceram.

Ashton comanda a delegação que representa os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU): Estados Unidos, Grã-Bretanha, França, Rússia e China, mais a Alemanha.

"Vamos manter contatos intensivos com nossos homólogos iranianos para preparar uma nova reunião em Moscou", disse ela em entrevista coletiva. O diálogo entre o Irã e as potências foi retomado no mês passado em Istambul, e a nova rodada foi marcada para os dias 18 e 19 de junho na capital russa.

Ashton disse que as seis potências esperam medidas concretas do Irã, inclusive o compromisso de limitar o urânio a um máximo de 20 por cento de pureza.

Especialistas ocidentais dizem que, passado esse limite, o Irã terá superado dificuldades técnicas que o impedem de chegar a 90 por cento de enriquecimento, o mínimo necessário para o uso do urânio em armas atômicas.

"O Irã declarou sua disposição de tratar da questão do enriquecimento a 20 por cento, e veio com seu próprio plano de cinco pontos, incluindo sua afirmação de que reconhecemos o direito deles ao enriquecimento", disse Ashton. O Irã diz que não vai superar o limite de 20 por cento, e que o material resultante será usado em um reator de pesquisas médicas.

"As discussões foram intensas e longas", disse o negociador iraniano, Saeed Jalili. "Foram detalhadas, mas permaneceram inconclusas. A atmosfera dessas discussões foi positiva para que os dois lados falassem suas questões de forma clara. Acreditamos que o resultado dessas discussões foi que pudemos conhecer mais e melhor as visões do outro."

Ele acrescentou, no entanto, que o enriquecimento de urânio é "um direito inalienável da nação iraniana". 

Mais conteúdo sobre:
IRA NUCLEAR REUNIAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.