TV estatal iraniana/AP
TV estatal iraniana/AP

Irã é um Estado nuclear, diz Ahmadinejad no dia da revolução

Segundo presidente, país terá capacidade tecnológica de construir a bomba atômica, mas não pretende fazê-la

estadao.com.br,

11 de fevereiro de 2010 | 07h26

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, declarou nesta quinta-feira, 11, que seu país é um "estado nuclear" e que pode aumentar sua capacidade para enriquecer urânio até 80%, mas por enquanto não está interessado em chegar a esse nível. Para a construção de armas nucleares é necessário enriquecer o mineral radioativo a mais de 90%.

 

Mais sobre o Irã:

link Milícias pró-governo atacam líderes reformistas

link Irã corta email no aniversário da Revolução

 

Em discurso durante a celebração do 31º aniversário da Revolução Islâmica na praça de Azadi, 

Ahmadinejad disse que o país tem a capacidade de enriquecer urânio a mais de 20%, ou a 80%, mas que isto  não interessa ao país. 

 

"Quando dizemos que não produziremos a bomba, estamos falando sério. Não acreditamos na produção de armas atômicas", disse Ahmadinejad. "Se quiséssemos, já teríamos anunciado isto".

 

 

O presidente confirmou também que o primeiro lote de urânio enriquecido a 20%, processo iniciado na terça-feira, já está pronto. "O enriquecimento começou na terça passada e os cientistas já conseguiram produzir o primeiro pacote de urânio enriquecido a 20%", disse. Segundo o governo iraniano, este material será usado para o tratamento de câncer. 

 

VEJA TAMBÉM:
especialEspecial: O programa nuclear do Irã
especialCronologia: O histórico de tensões
blog Gustavo Chacra: as saídas para o Irã
video TV Estadão: os riscos dos programa 

 

Na terça-feira, o Irã elevou sua capacidade de enriquecimento de urânio de 3,5% para 20%. Um acordo esboçado em outubro entre Teerã e o sexteto (grupo que inclui os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança e a Alemanha) previa que o país enviasse esse material para ser enriquecido fora do país.  Assim, haveria a garantia de  que o urânio não seria utilizado com fins militares, como teme o Ocidente. Na semana  passada, Ahmadinejad sinalizou que aceitaria o acordo, mas voltou atrás no domingo.

 

O chefe do programa nuclear iraniano, Ali Akbar Salehi, disse na quarta que um acordo ainda é possível, mas que o país continuará com o processo. "O acordo ainda está na mesa", afirmou à emissora Press TV. As potências ocidentais reagiram ao anúncio com ameaças de impor sanções ao Irã no Conselho de Segurança da ONU.Os EUA se adiantaram e já anunciaram punições unilaterais contra bens de membros da Guarda Revolucionária no país.

 

Em um documento revelado nesta quinta-feira, o diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Yukiya Amano, já afirmava que o Irã deveria começar a produzir seu primeiro lote de urânio enriquecido "nos próximos dias".

 

Segundo o texto, porém,a produção desse material ocorrerá em quantidades modestas por enquanto. O Irã anunciou nesta semana que iniciaria o processo para enriquecer urânio a 20% a partir da terça-feira passada.

 

 

Com informações da Efe e da Associated Press

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.