Irã elogia disposição do Brasil em mediar impasse sobre programa nuclear

Celso Amorim se encontra com presidente do Parlamento iraniano e defende energia atômica pacífica

Efe

26 de abril de 2010 | 14h41

TEERÃ - O presidente do Parlamento iraniano, Ali Larijani, deu as boas-vindas a uma eventual mediação do Brasil na polêmica questão do programa nuclear de Teerã, acusado por grande parte da comunidade internacional de ter fins militares.

 

Veja também:

linkAmorim defende energia nuclear pacífica

linkMesmo pressionado, Irã testa 5 mísseis

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

 

Larijani recebeu nesta segunda-feira, 26, o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, que chegou de madrugada a Teerã para preparar a visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao Irã. O parlamentar, citado pela agência de notícias local Mehr, não ofereceu, no entanto, detalhes sobre o papel que o Brasil poderia desempenhar para solucionar a polêmica.

 

Amorim, por sua vez, manteve a postura do governo brasileiro e insistiu que Brasília apoia o programa nuclear iraniano, desde que seja voltado para fins pacíficos. O chanceler, porém, não comentou se o País apoiaria possíveis sanções internacionais contra o regime persa.

 

O ministro já havia anunciado há dois meses a vontade do Brasil de atuar como mediador do conflito, mas não oferecera detalhes. "O que queremos para o povo brasileiro é o que queremos para o povo iraniano, ou seja, a expansão das atividades nucleares pacíficas", disse Amorim, depois de se reunir também com o negociador nuclear iraniano na questão, Saeed Jalili.

 

Grande parte da comunidade internacional, sob a liderança dos EUA, acusa o regime dos aiatolás de ocultar, sob seu programa civil, outro de natureza clandestina e com ambições bélicas, cujo objetivo seria adquirir um arsenal atômico, alegação negada por Teerã.

 

A polêmica se radicalizou no final do ano passado, depois de o Irã rejeitar uma oferta dos EUA, Reino Unido e Rússia para enviar seu urânio enriquecido a 3,5% ao exterior e recuperá-lo depois enriquecido a 20%, nas condições que diz precisar para manter em operação seu reator em Teerã.

 

Perante a falta de acordo, o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, ordenou o início do enriquecimento a 20%, apesar das advertências internacionais. Desde então, o governo americano busca aprovar uma nova rodada de sanções internacionais para tentar frear o polêmico programa nuclear iraniano.

 

Neste ano, o Brasil assumiu uma das 15 cadeiras do Conselho de Segurança da ONU, órgão responsável pelas possíveis sanções ao regime iraniano. A este respeito, o presidente do Parlamento iraniano voltou a culpar as grandes potências pela falta de acordo e insistiu que chegar a uma solução é "simples". "Polemizar com dados irreais não terá efeito algum sobre a vontade do povo iraniano. As grandes potências tentam complicar este assunto para favorecer assim seus próprios interesses políticos", criticou.

 

Durante a reunião, Larijani e Amorim expressaram a necessidade de ampliar as relações bilaterais em diversos campos, disseram fontes diplomáticas brasileiras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.