Irã enforca em público mais dois condenados por assassinato

O Irã enforcou nesta terça-feira um homem por ter matado um médico que ele acreditava ter causado a morte da sua mãe, e executará na quarta-feira um jovem de 17 anos condenado pelo assassinato do homem mais forte do país, relatou a mídia local.

REUTERS

20 Setembro 2011 | 12h22

Os dois casos chamaram a atenção do público em um país com a taxa mais elevada de pena de morte por pessoa do mundo, segundo grupos de direitos humanos. O Irã rejeita críticas a seu sistema de justiça, afirmando ser eficaz.

Sajjad Karimi foi condenado pela morte de Gholamreza Sarabi, um cardiologista, depois que a mãe dele morreu. Ele foi enforcado em uma das principais praças da capital, Teerã.

"Na presença da polícia e do povo, o assassino do Dr. Sarabi foi enforcado esta manhã na praça Haft-Houz", relatou a agência oficial de notícias Irna.

O jovem Alireza, de 17 anos, foi condenado por ter esfaqueado até a morte Rouhollah Dadashi, duas vezes campeão da competição de Homem Mais Forte do Irã, relatou o jornal Haft-e Sobh. Ele será executado na quarta-feira caso a família de Dadashi decida não perdoá-lo.

O Irã enforcou 22 pessoas por tráfico de drogas na segunda-feira, na mais recente execução em massa do país.

Mais conteúdo sobre:
IRA EXECUCAO EMPUBLICO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.