Irã enriquecerá por conta própria 'todo urânio que precisar'

Mahmoud Ahmadinejad desafia exigência da comunidade internacional e dá questão nuclear como encerrada

Agência Estado e Reuters,

02 de dezembro de 2009 | 12h14

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, anunciou nesta quarta-feira, 2, que seu país vai enriquecer urânio a 20% "e tudo o que for necessário" para seu programa nuclear, em um desafio direto à exigência internacional de paralisação do processo.

 

Veja também:

linkNovas usinas são 'consequência' da decisão da AIEA, diz Irã

linkIrã pede mudanças na estrutura da AIEA

linkIrã diz que construirá dez novas plantas para enriquecer urânio

especialEspecial: O histórico de tensões do Irã

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

especialEspecial: As armas e ambições das potências

 

"A nação iraniana fará sozinha o combustível (nuclear enriquecido) a 20% e o que mais precisar", assegurou Ahmadinejad em discurso proferido hoje em Isfahan, na região central do Irã, e transmitido ao vivo pela televisão estatal. O chefe de governo iraniano também reiterou que, para Teerã, a questão nuclear "está encerrada".

 

A promessa de enriquecer urânio a um grau mais elevado de pureza contraria a pressão internacional para que o Irã paralise a atividade.

 

Ahmadinejad declarou-se frustrado com as negociações em torno de um acordo apoiado pela ONU por meio do qual o Irã enviaria urânio ao exterior para receber de volta a substância enriquecida num grau mais elevado do que o país é capaz de produzir no momento.

 

O enriquecimento de urânio é um processo essencial para a geração de combustível usado no funcionamento das usinas nucleares. Em grande escala, o urânio enriquecido pode ser usado para carregar ogivas atômicas.

 

Os EUA e alguns de seus aliados suspeitam que o Irã desenvolva em segredo um programa nuclear bélico. O Irã sustenta que seu programa nuclear é civil e tem finalidades pacíficas, estando de acordo com as normas do Tratado de não-proliferação Nuclear, do qual é signatário.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãnuclearurâniousinasAhmadinejad

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.