Irã espera mudanças dos EUA para negociar, diz embaixador

Diplomata iraniano do Brasil diz que seu país tem apoio de mais de 40 nações e que americanos estão se isolando

Denise Chrispim Marin, da Agência Estado,

20 Novembro 2009 | 12h46

O embaixador do Irã no Brasil, Mohsen Shaterzadeh, afirmou nesta sexta-feira, 20, em entrevista coletiva, que seu País espera uma "mudança prática" na posição dos EUA para iniciar uma negociação direta com Washington. "O Irã não tem dificuldade nenhuma de negociar com os EUA", afirmou o embaixador iraniano. "Mas queremos mudanças práticas e efetivas e não só mudança nas palavras", ressaltou.

 

Veja também:

especialEspecial: O histórico de tensões do Irã

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

especialEspecial: As armas e ambições das potências

 

Por mudanças práticas, o embaixador refere-se ao desbloqueio dos bens iranianos nos EUA, a um pedido de perdão pela explosão de um avião de passageiros no Golfo Pérsico e o fim do bloqueio comercial aplicado pelos americanos, entre outros.

 

Questionado várias vezes se o presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad poderia contar com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva como um mediador nos contatos de Teerã com Washington, o embaixador se esquivou de responder. Argumentou que o Irã não está isolado, que mantém cooperação com mais de 40 países e que mantém atividades nucleares "transparentes e observadas pela Agência Internacional de Energia Atômica". "Os EUA é que estão ficando isolados", afirmou.

 

Sobre um pedido do presidente da Palestina, Mahmoud Abbas, ao presidente Lula para que diga a Ahmadinejad que pare de financiar o grupo palestino Hamas, o embaixador iraniano também desconversou. Shaterzadeh insistiu que o povo palestino é oprimido e alvo de crueldades há décadas e que qualquer país que possa contribuir para o seu reconhecimento como nação será benvindo.

Mais conteúdo sobre:
Irã embaixador EUA nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.