Irã está disposto a retomar negociações nucleares com potências

Negociador iraniano disse que conversas têm que ser realizadas sen pressões

REUTERS

10 de maio de 2011 | 08h49

TEERÃ - O Irã aceitou oficialmente nesta terça-feira, 10, retomar as negociações sobre sua política nuclear em uma carta dirigida à chefe da política externa da União Europeia, Catherine Ashton, segundo informou a rede de televisão iraniana Al Alam.

 

Em carta enviada a Ashton, o principal negociador afirmou que essas conversas têm que ser realizadas sem pressões, disse a emissora.

Os Estados Unidos e seus aliados suspeitam que o Irã está tentando desenvolver bombas sob o disfarce de um programa de energia nuclear civil. Teerã nega e afirma que seu programa visa a produção de energia para atender à crescente demanda no país.

A mídia iraniana disse no início deste mês que Teerã recebeu uma carta da chefe de política externa da União Europeia, Catherine Ashton, que representa as seis potências mundiais que mantém contato sobre o tema com a República Islâmica.

A última negociação do grupo com o Irã fracassou em janeiro, após Teerã descartar a paralisação de suas atividades de enriquecimento de urânio, como exigem várias resoluções do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas adotadas desde 2006.

"A carta foi entregue em Viena pelo embaixador iraniano na União Europeia. Na carta, Saeed Jalili elogia a volta do P5+1 para as negociações", afirmou a emissora estatal em língua árabe Al Alam.

"Na carta, o senhor Jalili enfatiza que as negociações devem ser justas e sem que sejam exercidas pressões."

Analistas afirmam que essas referências são a linguagem codificada do Irã, que significa que não haverá discussões sobre as atividades iranianas de enriquecimento de urânio, que o país vê como seu direito soberano.

O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, disse na segunda-feira que o país não cederá na questão do enriquecimento de urânio.

"P5+1" é a sigla diplomática para o grupo formado pelos cinco países que têm assentos permanentes no Conselho de Segurança da ONU --Estados Unidos, Grã-Bretanha, França, Rússia e China-- mais a Alemanha.

Tudo o que sabemos sobre:
Irãnegociaçõesprograma nuclearUE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.