Irã está perto de obter bomba atômica, diz grupo de oposição

O Irã pode adquirir armas nuclearesantes do período entre três a oito anos calculado pela AgênciaInternacional de Energia Atômica (AIEA), afirmou na sexta-feiraum órgão formado por opositores ao governo iraniano e que atuano exterior. O fato de Ali Larijani não mais comandar as negociações doIrã no setor nuclear mostraria que o país não mais precisa detempo para dar o próximo passo no programa, segundo o ConselhoNacional de Resistência do Irã. O grupo foi o primeiro a denunciar, em 2002, a existênciada usina de enriquecimento de urânio de Natanz e dasinstalações para águas pesadas de Arak, ambas no Irã. Potênciasocidentais suspeitam que esses locais poderiam ser usados nafabricação de bombas atômicas. O governo iraniano diz que suas atividades no setor sãopacíficas. "Segundo nossas informações, o regime iraniano está maisperto de ter uma bomba do que diz o senhor ElBaradei", disseAlireza Jafarzadeh, membro do grupo, em referência ao chefe daAIEA, Mohamed ElBaradei. Nesta semana, o dirigente da agência ligada à ONU disse queainda há tempo para que as sanções, o diálogo e a promessa deincentivos rendam frutos nas negociações com o Irã. Mas oConselho discorda. "Estamos falando sobre os últimos minutos para evitar que oregime iraniano tenha a bomba", afirmou Jafarzadeh. "Ao substituir Larijani por um outro comandante da GuardaRevolucionária, o regime iraniano enviou uma mensagem clara deque está mais perto da bomba, já que não há mais a necessidadede negociações como ocorreu nos últimos anos", acrescentou. O novo responsável pelas negociações iranianas nas questõesnucleares, Saeed Jalili, é um importante aliado do presidentedo Irã, Mahmoud Ahmadinejad, um político da linha-dura. O Conselho também recebeu com satisfação as sançõesimpostas contra os iranianos na quinta-feira pelos EUA,afirmando que essas medidas poderiam prejudicar as operações daGuarda Revolucionária. O governo norte-americano acusou o órgão de disseminararmas de destruição em massa e classificou o Qods, uma forçamilitar do Irã, como uma entidade que dá apoio ao terrorismo. "A qualificação feita da Guarda Revolucionária e de outrasentidades é importante. Isso atinge duramente os recursosfinanceiros da Guarda Revolucionária, pressiona-a e dificultaas operações dela", afirmou Jafarzadeh. O braço armado do Conselho, o Mujahideen do Povo, consta dalista de organizações terroristas elaborada pelos EUA.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.