Irã está pronto para 'conversas longas' sobre programa nuclear

Ahmadinejad se diz disposto ao diálogo, com a condição de que sejam "construtivos e busquem propósitos"

Efe,

30 de setembro de 2009 | 11h13

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, disse nesta quarta-feira, 30, que seu país está disposto a manter "negociações longas" com os membros do Conselho de Segurança da ONU e a Alemanha sobre seu programa nuclear se estas "forem construtivas e buscarem propósitos".

 

Veja também:

lista Conheça os números do poderio militar do Irã

lista Altos e baixos da relação entre Irã e EUA

especialEspecial: O histórico de tensões do Irã

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

especialEspecial: As armas e ambições das potências

 

Em declarações à margem do Conselho de Ministros realizado nesta quarta, em Teerã, à agência semi-oficial Fars, Ahmadinejad qualificou de "importantes" as negociações que serão realizadas na quinta-feira, 1º, na Suíça, entre representantes iranianos e dos países do grupo de negociação - EUA, Rússia, China, França, Reino Unido e Alemanha.

 

"Nesta primeira reunião, será possível comprovar o nível da honestidade de alguns países e seus compromissos a respeito da lei, da justiça e do respeito mútuo", afirmou o líder iraniano.

 

Ahmadinejad também advertiu que seu país está preparado para qualquer situação, pois "o povo iraniano aprendeu a ser independente nos últimos 30 anos". "Acreditamos que os problemas do mundo podem ser resolvidos unicamente através do diálogo e mediante a cooperação global", disse, acrescentando que "há grandes questões no mundo, entre elas econômicas e de segurança, que afetaram todos".

 

Na sua opinião, "os negociadores são livres para escolher qualquer política, no entanto, nós preferimos a amizade e o diálogo", e acrescentou que as posturas negativas não podem prejudicar o Irã.

 

Antes, o secretário-geral do Conselho de Segurança Nacional do Irã e chefe negociador iraniano, Saeed Jalili, tinha afirmado que o êxito da negociação em Genebra sobre o programa nuclear iraniano dependerá da atitude do Ocidente. "Aproveitar esta oportunidade dependerá da aproximação ao Irã das outras partes negociadoras", afirmou, antes de partir rumo à Suíça.

 

Jalili insistiu em que seu país viaja "com atitude positiva" e insistiu que Teerã só tem intenção de discutir o novo pacote de propostas que enviou ao grupo de países negociadores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.