Irã fará enriquecimento por conta própria se negociação falhar

País considera produção de urânio enriquecido um direito; delegação está reunida com EUA, Rússia e França

Efe,

19 de outubro de 2009 | 12h20

O Irã insistiu nesta segunda-feira, 19, que buscará meios próprios e independentes para enriquecer urânio até 20%, se fracassar a negociação em Viena com a França, os EUA e a Rússia que teve início nesta segunda.

 

Veja também:

linkPutin alerta potências sobre intimidar Irã com sanções

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

especialEspecial: As armas e ambições das potências

 

Em declarações divulgadas pela agência oficial de notícias local Irna, o porta-voz do Organização de Energia Atômica do Irã, Ali Shirzadian, insistiu em que sob nenhum conceito seu país renunciará ao que considera um direito. "O Irã pretende manter o enriquecimento até 5%, mas, se a negociação não produzir o resultado esperado, colocaremos nossos próprios meios para começar a enriquecer urânio até 20%. É um direito nosso", disse o porta-voz.

 

Uma delegação iraniana de alta categoria foi à capital austríaca para iniciar uma negociação a respeito com representantes dos americanos, russos e franceses. Segundo fontes locais, o objetivo é garantir que o Irã possa comprar urânio enriquecido em até 20% para poder utilizá-lo em um reator destinado à pesquisa e ao desenvolvimento médico.

 

Em 1º de outubro, o regime iraniano retomou o diálogo nuclear com as grandes potências, que o acusam de esconder, sob seu programa atômico civil, outro de natureza clandestina e aplicações militares, que teria como objetivo a aquisição de um arsenal nuclear.

 

Fontes europeias disseram que, durante a reunião, foram colocadas várias propostas, incluindo uma para que o Irã envie seu urânio empobrecido ao exterior e o recupere meses depois enriquecido em 20%. Mas, de acordo com a rede de televisão estatal por satélite iraniana, o regime rejeita esta ideia e pretende comprar o urânio já enriquecido à França, à Rússia e inclusive aos EUA, país com o qual não tem relações diplomáticas há quase 30 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.