Irã iniciou enriquecimento de urânio 20%, diz vice-presidente

País desafiou sanções internacionais e disse que só paralisará processo se outros países fornecerem combustível

Agência Estado,

09 de fevereiro de 2010 | 09h11

O Irã iniciou nesta terça-feira, 9, a produção de urânio enriquecido a 20% na usina atômica de Natanz, anunciou Ali Akbar Salehi, vice-presidente da República Islâmica e chefe do programa nuclear do país.

 

Mais sobre o impasse:

video Comentário do jornalista Roberto Godoy

linkBrasil é pressionado por apoio ao Irã sobre programa nuclear

linkFrança e EUA concordam em adotar sanções pesadas ao Irã

linkIrã diz à AIEA que começará a produzir combustível nuclear

 

"A partir desta terça iniciamos o enriquecimento a 20% em uma cascata separada em Natanz", declarou Salehi, nesta terça-feira, citado pela Agência de Notícias da República Islâmica.

 

Em Viena, a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), braço nuclear da Organização das Nações Unidas (ONU), informou que seus inspetores estão a postos em Teerã para monitorar o processo de enriquecimento promovido pelo Irã.

VEJA TAMBÉM:
Especial: O programa nuclear do Irã
Cronologia: O histórico de tensões e conflitos do país

 

Horas antes, numa entrevista à TV estatal iraniana, Salehi assegurou que Teerã interromperá o enriquecimento de urânio quando outras potências fornecerem combustível nuclear a seu país. "Quando eles nos forneceram o combustível, nós interromperemos o enriquecimento a 20%", afirmou Salehi.

 

No anúncio , o vice-presidente iraniano informou que uma cascata de 164 centrífugas está sendo destinada ao processo de enriquecimento. "Ela (a cascata) pode produzir de 3kg a 5kg por mês de urânio enriquecido a 20% para o reator de Teerã", afirmou. "É o dobro da nossa necessidade, já que o reator de Teerã precisa de 1,5kg" de combustível nuclear, prosseguiu.

 

Os EUA e alguns de seus aliados suspeitam que o Irã desenvolva em segredo um programa nuclear bélico. O Irã sustenta que seu programa nuclear é civil e tem finalidades pacíficas, estando de acordo com as normas do Tratado de não-proliferação Nuclear, do qual é signatário.

 

O enriquecimento de urânio é um processo essencial para a geração de combustível utilizado no funcionamento de usinas nucleares. Caso esteja enriquecido a mais de 90%, o urânio pode ser usado em armas atômicas.

 

Antes do processo iniciado nesta terça, o Irã vinha produzindo havia anos urânio enriquecido a 3,5%, em desafio a três pacotes de sanções aprovados pelo Conselho de Segurança da ONU. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.