Irã levará a julgamento americanos detidos em julho

Três cidadãos que entraram ilegalmente no país pelo Iraque serão processados por espionagem

Efe,

14 de dezembro de 2009 | 12h22

O ministro de Assuntos Exteriores iraniano, Manouchehr Mottaki, anunciou hoje que os três cidadãos americanos detidos em julho na fronteira com o Iraque serão julgados.

 

Veja também:

linkAcusações do Irã contra americanos são infundadas, diz Hillary

 

Em declarações divulgadas pela agência de notícias local Fars, o chefe da diplomacia iraniana disse que os três americanos, que estariam fazendo trekking, são acusados de "entrar ilegalmente no Irã com propósitos suspeitos".

 

"Seguem os interrogatórios e o processamento dos três cidadãos americanos, que entraram de forma ilegal e com propósitos suspeitos ao Irã. Estas pessoas serão processadas por nosso sistema judiciário, que lhes aplicará a pena que corresponder", disse.

 

Os três americanos, Shane Bauer, Sarah Shourd e Josh Fattal, foram capturados em 31 de julho quando caminhavam perto da fronteira entre Iraque e Irã, na província do Curdistão iraquiano.

 

Desde então, Washington solicitou a libertação dos três, alegando que eram apenas turistas que se perderam e entraram em território iraniano por engano.

 

No entanto, em 9 de novembro, já havia aumentado o temor sobre o destino dos americanos, depois que o procurador-geral de Teerã, Abbas Jaafari Dowlatabati, anunciou que seriam acusados de espionagem.

 

Naquele mesmo dia, logo após saber da notícia, a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, insistiu na inocência deles e prometeu que seu país seguiria adiante com as gestões para conseguir a libertação.

 

Especialistas e diplomatas sugeriram que o momento e as condições em que esta acusação ocorre poderiam estar relacionados à disputa entre Irã e Estados Unidos sobre o programa nuclear iraniano.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãespionagemjulgamentoamericanosEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.