Irã manterá seu projeto nuclear, diz aiatolá Khamenei

Dias antes do fim do prazo para acordo pelo fim de programa atômico, líder supremo rechaça interrupção

Reuters e Associated Press

30 de julho de 2008 | 07h20

O líder supremo religioso do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, afirmou nesta quarta-feira, 30, que a República Islâmica vai continuar suas atividades nucleares. O anúncio vem dias antes do prazo final dado por autoridades ocidentais para que Teerã respondesse à oferta de incentivos de grandes potências.   A rádio estatal iraniana citou Khamenei dizendo que curvar-se a "potências arrogantes" beneficiaria somente essas nações que pressionam o Irã. De acordo com ele, seria errado abrir mão do direito iraniano à exploração da energia nuclear à espera de uma mudança de posição por parte do Ocidente. O líder religioso afirmou ainda que Teerã desenvolve o seu programa atômico com fins pacíficos, como a geração de eletricidade, e que o país não vai renunciar diante do que chamou de "potências arrogantes".   Os Estados Unidos e alguns de seus aliados suspeitam que o Irã desenvolva em segredo um programa nuclear bélico. Em seus relatórios, os inspetores da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) têm informado não haver sinais de um programa nuclear com fins militares e os serviços secretos dos EUA divulgaram relatório há alguns meses afirmando ter evidências de que um programa nuclear militar mantido pelo Irã teria sido encerrado em 2003.   Ainda assim, EUA e Israel não descartam a possibilidade de bombardear o Irã caso o país não desista do enriquecimento de urânio, um processo essencial para a geração de combustível usado no funcionamento das usinas nucleares. Em grande escala, o urânio enriquecido pode ser usado para carregar ogivas atômicas.   Matéria atualizada às 10h05.

Tudo o que sabemos sobre:
Irã

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.